Nota desqualifica ex-dirigente e defende ministro

O PDT-SC divulgou nota nessa terça-feira, 17, na qual desqualifica o depoimento de John Sievers, e exalta a "idoneidade" do ministro Manoel Dias. O texto diz que causou "surpresa e indignação" o relato de um "ex-militante que vem passando por sérios problemas pessoais e transtornos de conduta." O PDT-SC alegou que Sievers renunciou à vice-presidência da Juventude em 2012 e "sumiu do Estado, deixando tudo para trás, inclusive a família". Disse ainda que as declarações são contraditórias, pois ele reclamou à Justiça salário por serviços ao partido. Sievers diz que a ação é de período posterior a 2008, quando trabalhou na sede do PDT.

Fábio Fabrini e Andreza Matais, O Estado de S.Paulo

18 de setembro de 2013 | 02h03

"Achamos uma tremenda maldade utilizar uma pessoa fragilizada. Vimos desqualificar não somente a fonte utilizada pelo jornal, mas também fazer uma defesa intransigente da idoneidade da nossa instituição e dos serviços prestados pelo ministro", diz a nota, assinada pelo presidente da Juventude do PDT-SC, Levi Elói dos Santos. A advogada da ADRVale, Ana Helena Boos, disse anteontem desconhecer vínculo de Sievers com a entidade. Ontem, explicou que ele foi, sim, contratado, por salário de R$ 1,3 mil de janeiro a março de 2008, mas dispensado ao se constatar que não comparecia ao trabalho. Ela negou irregularidades nos convênios. "Os cursos foram feitos de acordo com todas as normas que regem o ProJovem." Fábio Machado não foi localizado ontem.

Tudo o que sabemos sobre:
FraudesPDTMinistério do TrabalhoCGU

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.