Flavio Bolsonaro/Twitter
Flavio Bolsonaro/Twitter

'Noite delicada, mas 100% contornada', diz filho de Bolsonaro após cirurgia do candidato

Candidato do PSL passou por um procedimento de emergência por causa de um inchaço na região abdominal

Matheus Lara, O Estado de S.Paulo

13 Setembro 2018 | 08h40

Um dos filhos do candidato a presidente Jair Bolsonaro (PSL) nas eleições 2018, Carlos Bolsonaro, disse na madrugada desta quinta-feira, 13, que o militar da reserva passou uma noite "delicada", mas que a situação foi contornada. O presidenciável precisou passar por mais uma cirurgia de emergência, na noite de quarta, por causa de um inchaço na região abdominal. 

"Médicos, enfermeiros, fisioterapeutas e técnicos de enfermagem; estou vendo de perto o trabalho dessas pessoas desde o início e só temos a agradecer. Noite delicada, mas 100% contornada", escreveu Carlos no Twitter. "O velho é forte como um cavalo, não é a toa que seu apelido de Exército é 'cavalão'."

O procedimento durou pouco mais de uma hora e foi bem-sucedido, de acordo com médicos do Hospital Albert Einstein, onde Bolsonaro está internado desde a última sexta. No dia 6, o candidato foi esfaqueado durante um ato de campanha em Juiz de Fora, e teve perfurações no intestino grosso e no intestino delgado. Ele voltou para a Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e reage bem ao novo procedimento, de acordo com boletim médico divulgado nesta quinta.

Com o aparecimento do inchaço nesta quarta, os médicos que cuidam do candidato decidiram realizar uma tomografia de abdome, que evidenciou a presença de aderência obstruindo o intestino delgado e a necessidade da cirurgia. A equipe que cuida do presidenciável é chefiada pelo médico Antonio Luiz de Vasconcellos Macedo.

Após a cirurgia, o presidente em exercício do PSLGustavo Bebianno, também comentou o procedimento. "A cirurgia correu bem, graças a Deus, dentro do previsto. O maior receio nosso era a anestesia. Agora, ele retorna para o CTI porque foi um novo procedimento cirúrgico, uma nova incisão, abriram novamente o abdome dele e, de novo, a recuperação da anestesia geral é sempre complicada.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.