Divulgação / PSDB
Divulgação / PSDB

No último debate em Ribeirão Preto, adversários se unem contra candidato à reeleição

Prefeito, que lidera a corrida segundo pesquisa Ibope, foi alvo de críticas

Everton Sylvestre/ Especial para o Estadão, Ribeirão Preto

11 de novembro de 2020 | 09h08

RIBEIRÃO PRETO - Cinco dos nove candidatos na disputa pela prefeitura de Ribeirão Preto participaram do último debate, realizado pelo portal Acidade ON, do grupo EPTV – afiliada à TV Globo na cidade – na noite desta terça-feira, 10. Em poucos momentos, os concorrentes de Duarte Nogueira (PSDB), que busca a reeleição e aparece na frente da última pesquisa Ibope, com 31% das intenções de voto, fizeram críticas entre si. Na maior parte das perguntas, juntaram-se para criticar a gestão atual.

Dos quatro debates, este foi o segundo com a presença do prefeito. Foi o primeiro em que Suely Vilela (PSB), que apareceu empatada em segundo lugar com Fernando Chiarelli (Patriota) na última pesquisa Ibope, ambos com 14%, não compareceu. Ela alegou motivos de saúde. Chiarelli criticou a ausência da concorrente.

Este foi o debate com mais ataques entre Chiarelli e Nogueira. O candidato do Patriota insistiu em relacionar o prefeito com propinas da Odebrecht. Nogueira rebateu os ataques. “Tem candidato que usa o máximo de palavras para exprimir o mínimo de pensamentos e zero por cento de propostas”, afirmou. 

Para Entender

Calendário Estadão

As datas, definições partidárias, candidaturas e a cobertura especial do jornal das campanhas pelo País e nos Estados Unidos

Além do ataques, o debate contou com discussões sobre problemas existentes na cidade e apresentação de propostas sobre transporte público, educação, saúde, emprego, cultura, economia criativa, água e déficit habitacional. Nas discussões sobre captação de água do Aquífero Guarani, Coronel Usai (PRTB) afirmou que pode até estudar outras formas de captação para “preservar um pouco o aquífero”, mas que é mais fácil acabar a água do oceano do que do aquífero. Já Chiarelli afirmou que em seu governo a população não vai passar a beber água de rio poluído e que o consumo continuará sendo todo a partir do aquífero. 

Também participaram do debate Cris Bezerra (MDB) e Machado (PT).

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.