No RS, Tarso Genro tem esperança em virada e Sartori lembra que campanha foi 'diferente'

As últimas pesquisas mostraram Sartori com vantagem próxima de 20 pontos porcentuais

ELDER OGLIARI E André Tajes, O Estado de S. Paulo

26 de outubro de 2014 | 15h06

O governador do Rio Grande do Sul, Tarso Genro (PT), candidato à reeleição, votou em uma seção eleitoral da Escola Estadual Santos Dumont, na zona sul de Porto Alegre, acompanhado da presidente Dilma Rousseff, que vota em outra seção do mesmo prédio.

Ao sair, Tarso lembrou que a eleição do Estado tradicionalmente se decide nos últimos três dias de campanha e, particularmente, no dia da votação, demonstrando esperança de ainda reverter os prognósticos de todas as pesquisas, nas quais José Ivo Sartori (PMDB) tem vantagem próxima de 20 pontos porcentuais, com índices próximos de 60% dos votos válidos.

"A gente não pode se basear que já perdeu e nem que já ganhou quando isso ocorre", comentou, referindo-se à situação retratada pelas pesquisas. "Hoje é um grande dia da democracia e o Brasil ganha com esse processo, apesar de todos os percalços que ocorreram na campanha", comentou.

Eleição 'diferente'. Sartori votou no início da tarde no Colégio La Salle Carmo, no centro de Caxias do Sul, cidade a 130 km de Porto Alegre. Ele estava acompanhado da esposa, Maria Helena Sartori, e dos filhos, Marcos e Carolina. Sartori chegou no local de votação no horário marcado e cumprimentou eleitores que deixavam o local. Houve aglomeração de jornalistas e apoiadores ao redor de Sartori durante o trajeto até a seção eleitoral.

Depois de votar, o candidato acompanhou os votos dos filhos na mesma escola. Ainda no local, conversou com jornalistas. Sartori disse estar satisfeito e espera a confiança dos eleitores. "Vamos aguardar o resultado das urnas. Todos precisam ter humildade até o último minuto e saber que é possível. Não existe nada ganho antes de abrir a urna", comentou. "Essa campanha foi diferente das outras, porque nunca tinha concorrido ao governado do Estado", afirmou.

Sartori foi questionado se o episódio sobre o piso do magistério poderia prejudicar sua votação. Na semana passada, ele brincou em uma entrevista, dizendo que os professores deveriam procuram o piso em uma loja de material de construção. "Na verdade, estava me referindo a quem criou e não aplicou (o piso)", respondeu, referindo-se ao governador Tarso Genro (PT), candidato à reeleição. "Tenho o maior respeito do mundo pelos professores, fui professor por mais de 20 anos. Vamos dialogar e nos entender", acrescentou.

Sartori afirmou que é preciso encontrar um caminho para fazer investimentos em infraestrutura, como a recuperação das estradas estaduais. "Não tenho preconceito político e ideológico de fazer Parcerias Público-Privadas (PPPs), de fazer concessões e consórcios regionais. Espero que a empresa criada (Empresa Gaúcha de Rodovias) faça pelo menos a manutenção das rodovias", disse.

O peemedebista avaliou ainda a contribuição das pesquisas eleitorais. "O que importa é a pesquisa do coração, e essas não tiveram margem de erro nenhum. Espero que continue não tendo, e que nos coloque na condição de governar o Rio Grande do Sul."

O candidato almoça em Caxias com a família e lideranças políticas da cidade. A partir das 15h, acompanha o voto da esposa, a deputada Maria Helena Sartori, na Escola Engenheiro João Magalhães, também no centro de Caxias. Depois disso, retorna a Porto Alegre, onde passa o restante do dia e acompanha a apuração. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.