No Rio, petistas aceitam aliança com o PMDB

O PT e o PMDB anunciaram uma aliança para concorrer à Prefeitura do Rio em 2012. Pelo acordo, o prefeito Eduardo Paes (PMDB) vai disputar a reeleição tendo como vice, na chapa, o vereador petista Adilson Pires - e não o vice atual, Carlos Alberto Muniz (PMDB). A formalização do acordo só ocorrerá em junho.

FÁBIO GRELLET / RIO, O Estado de S.Paulo

28 de novembro de 2011 | 03h00

Em reunião do diretório petista para anunciar a decisão, no sábado, o acordo foi questionado pelo deputado federal Alessandro Molon, candidato do PT à prefeitura em 2008. "O PMDB quer usar o PT como burro de carga, como ferramenta para manter o poder. O PT não vai ter nenhuma participação nas decisões e não pode se submeter a isso", diz Molon, para quem "muita água ainda vai rolar" e, não há "nenhuma garantia" de que essa aliança seja realmente firmada. Em 2008, PMDB e PT também cogitaram uma aliança com Molon como cabeça de chapa e o presidente estadual do PMDB, Jorge Picciani, como vice. Mas o PMDB acabou lançando Eduardo Paes, que venceu.

"Molon tem direito de questionar, mas não acredito que consiga reverter , porque a posição dele é solitária", afirma o deputado estadual Gilberto Palmares (PT-RJ). "Em outros municípios, como São Gonçalo, os candidatos petistas devem ser apoiados pelo PMDB", disse Palmares.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.