No rádio, Russomanno comemora liderança nas pesquisas

Candidato do PRB usou programa eleitoral para comentar resultado das intenções de voto; Ibope indica 31%, contra 22% de Serra

Guilherme Waltenberg, da Agência Estado

31 de agosto de 2012 | 08h57

O programa do candidato do PRB a prefeito de São Paulo, Celso Russomanno, comemorou no horário eleitoral no rádio desta sexta-feira, 31, veiculado entre 7h e 7h30, a liderança nas pesquisas de intenção de voto. O narrador do programa afirmou que o candidato é "líder isolado", com 31% das intenções de voto, na pesquisa Datafolha divulgada na quarta-feira, 29, e que o segundo colocado, José Serra, do PSDB, "continua caindo". Serra já havia recuado na pesquisa anterior, divulgada no dia 21. Na mais recente, retrocedeu 5 pontos porcentuais e agora tem 22% das intenções de voto.

Pesquisa Ibope/Estado/TV Globo publicada nesta sexta-feira pelo Estado confirma a queda de Serra. Em duas semanas, o candidato tucano passou de 26% para 20% e o petista Fernando Haddad subiu de 9% para 16%. Como a margem de erro da pesquisa é de três pontos porcentuais, Serra e Haddad estão tecnicamente empatados.

No rádio, Haddad fez o programa ao lado do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Os dois debateram a saúde no município e Lula afirmou que Haddad não irá "abandonar o que foi feito pelos adversários", citando as unidades de Assistência Médica Ambulatorial (AMA) como exemplo. Haddad também prometeu criar um plano de carreira para os médicos da rede e reduzir o tempo de espera nas filas.

O programa tucano contou com a participação do governador Geraldo Alckmin, que fez um bate-papo com Serra sobre problemas da cidade e as soluções. Os dois ressaltaram a importância de o prefeito fazer parcerias com o governo estadual.

Gabriel Chalita, do PMDB, afirmou que em sete anos é possível ter todas as crianças do município estudando em tempo integral e voltou a criticar as "picuinhas" entre tucanos e petistas na gestão do município.

Paulinho da Força, do PDT, propôs levar mais empregos à periferia e Soninha Francine (PPS) prometeu mais áreas verdes. Carlos Giannazi, do PSOL, criticou a atual gestão da saúde, Levy Fidelix (PRTB) prometeu transferir o aeroporto de Congonhas de área e Eymael (PSDC) pregou que a cidade tem de ser governada como uma nação.

Ana Luiza, do PSTU, criticou a administração atual da cidade, assim como Anaí Caproni (PCO), que citou a especulação imobiliária na capital como consequência do estilo de gestão do atual prefeito, Gilberto Kassab (PSD).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.