No rádio, Kassab alfineta Marta e Alckmin condena ataques

Atual prefeito afirma que ex-ministra 'abandonou a saúde' e tucano volta a defender 'campanha limpa'

Bianca Pinto Lima, do estadao.com.br,

27 de agosto de 2008 | 08h29

O atual prefeito e candidato à reeleição, Gilberto Kassab (DEM), voltou a alfinetar a rival e líder nas pesquisas de intenção de votos, Marta Suplicy (PT), no programa do horário eleitoral gratuito do rádio. As críticas foram focadas principalmente na saúde: "Durante quatro anos, Marta não construiu nenhum hospital e agora promete três. Ela abandonou a saúde e agora promete clinicas mirabolantes", diz a locutora, destacando que a as propostas de Kassab são mais realistas. Já o candidato do PSDB, Geraldo Alckmin, destacou pontos de seu programa de governo e reafirmou que fará uma "campanha limpa", sem críticas aos rivais. "Isso aqui não é vale-tudo. É amor pela cidade, pelas pessoas", enfatiza.   Veja também: Tenho mais votos que Alckmin e Kassab juntos, diz Marta Divido com Serra a alegria de subir nas pesquisas, diz Kassab Alckmin diz que Serra na campanha 'não tem efeito prático' Veja a íntegra da última pesquisa  Multimídia: Perfil dos candidatos  Guia tira dúvidas do eleitor    Alckmin também falou sobre a parceria desenvolvida com o governador José Serra e aproveitou para rebater as crítica de Kassab sobre a falta de entendimento entre os companheiros de partido. "Quando fui governador e Serra prefeito, ele pegou a cidade endividada e as obras paradas. Mas nós fizemos uma bela parceria, baseada no interesse público", afirmou. O tucano também falou sobre a aliança com o governo federal e insistiu: "Lula é presidente do Brasil e não do PT".   Já Marta Suplicy (PT) expôs as propostas para a área da habitação e afirmou que a cidade é a primeira do País em número de pessoas vivendo em favelas e cortiços. A petista prometeu a construção de dois Centros Educacionais Unificados (CEUs) e 18 creches na zona sul da capital e ainda 47 novos quilômetros de Metrô na cidade. Após reforçar a parceria com Lula, a ex-ministra encerrou o programa falando sobre a visita que fará com o presidente aos bairros de Vila Mara e São Miguel Paulista, na zona leste, neste sábado.   O candidato Paulo Maluf (PP) voltou a ressaltar as obras que realizou na cidade quando foi prefeito. Ciro Moura (PTC) falou sobre corrupção e prometeu punição exemplar aos políticos corruptos. Soninha Francine (PPS) destacou a importância do planejamento urbano e a ausência de hospitais, bibliotecas e opções de cultura e lazer nos bairros mais afastados. Renato Reichmann (PMN) propôs que o Atendimento Médico de Emergência (AMAs) e as Unidades Básicas de Saúde (UBS) passem a funcionar 24 horas, todos os dias da semana.   O candidato Ivan Valente (PSOL) reafirmou que não aceitará dinheiro de grandes empresas para a sua campanha. Já Edmilson Costa (PCB) criticou o capitalismo, como sendo o "principal inimigo da humanidade". Levy Fidélix (PRTB) propôs a criação de um banco próprio do município de São Paulo, que seria responsável pelo recolhimento de impostos e taxas. Já Anaí Caproni (PCO) não participou do programa eleitoral gratuito desta terça-feira no rádio.

Tudo o que sabemos sobre:
Eleições 2008

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.