No rádio, Haddad expõe apoiadores e Serra repete ataques

Campanha petista mostrou apoio de ministros do governo Dilma e de personalidades; já tucanos voltaram a dizer que adversário vai acabar com parcerias na área da saúde

Guilherme Waltenberg, da Agência Estado

23 de outubro de 2012 | 10h14

SÃO PAULO - O candidato do PT a prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, explorou na manhã desta terça-feira, 23, durante o programa eleitoral de rádio, exibido das 7h às 7h20, os apoios declarados a sua campanha, citando ministros do governo de Dilma Rousseff (PT), o cantor e compositor Gilberto Gil e dirigentes ligados aos três grandes clubes de futebol da cidade - Corinthians, São Paulo e Palmeiras. Já José Serra, do PSDB, voltou a dizer que, se o petista for eleito, irá acabar com as parcerias entre a prefeitura e as Organizações Sociais (OSs) na administração de hospitais e unidades de saúde.

Nessa segunda-feira, 22, Andrés Sanchez, ex-presidente do Corinthians - time de coração do padrinho político de Haddad, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva -, Juvenal Juvêncio, presidente do São Paulo - time de Haddad -, e Arnaldo Tirone, presidente do Palmeiras - clube de coração do adversário tucano, José Serra -, declararam apoio à candidatura petista em evento de campanha.

Cinco ministros do governo Dilma também apareceram na propaganda pedindo votos para Haddad: Miriam Belchior (Planejamento); Guido Mantega (Fazenda); Aloizio Mercadante (Educação); José Eduardo Cardozo (Justiça); e Alexandre Padilha (Saúde). Haddad reforçou o discurso de que pretende fortalecer as parcerias com o governo federal. "Eu vou buscar os recursos para impulsionar nossa cidade", garantiu.

O programa do PSDB voltou a afirmar que Haddad defende o fim das parcerias entre prefeitura e OSs na área da saúde. O programa assegurou que Serra, se for o próximo prefeito, irá reforçar as parcerias e investirá na construção de Assistências Médicas Ambulatoriais (AMAs). "Serra não só vai reforçar a parceria com as OSs como vai aumentar o número de AMAs 24 horas", assegurou um narrador.

Ao lado do governador Geraldo Alckmin, seu correligionário, Serra voltou a falar da importância da parceria que, de acordo com o programa, já vem sendo mantida entre prefeitura e governo estadual. "Nós já fazemos tabelinha há muito tempo", afirmou o candidato, reforçando a importância dessa aproximação entre prefeitura e governo do Estado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.