No rádio, Dilma ataca gestão de Aécio em MG e explora aeroporto em Cláudio

No rádio, Dilma ataca gestão de Aécio em MG e explora aeroporto em Cláudio

Campanha petista usa construção da pista para explicar vitória petista no Estado; candidato tucano destaca apoio da família de Campos e de Marina à sua candidatura

Lilian Venturini e Stefânia Akel, O Estado de S. Paulo

13 de outubro de 2014 | 08h34

São Paulo - A propaganda do PT no rádio na manhã desta segunda-feira, 13, usou a construção do aeroporto de Cláudio (MG) para atacar a gestão do candidato Aécio Neves (PSDB) no Estado, governado por ele entre 2003 e 2010. A campanha da presidente Dilma Rousseff vem destacando nos horários eleitorais a vitória petista em Minas como tentativa de desqualificar o tucano. Já Aécio destacou a declaração de apoio de Marina Silva (PSB) à sua candidatura.

A propaganda petista desta segunda começou com os locutores enumerando dados negativos sobre a gestão de Áecio que explicariam a derrota tucana no primeiro turno. Entre os dados narrados, a campanha diz que Aécio prometeu 14 aeroportos mas só construiu dois. "Um deles o Brasil já sabe. Foi construído em uma fazenda particular, em terras da família dele. Tá explicado porque Aécio perdeu o jogo em casa", diz o locutor.

De acordo com a apuração do primeiro turno, Dilma recebeu 43,4% dos votos válidos em Minas e Aécio, 39,7%. O candidato tucano ao governo, Pimenta da Veiga, perdeu para o petista Fernando Pimentel. "Dilma venceu até em Minas Gerais. Aécio perdeu e não conseguiu eleger seu candidato a governador. Por que o povo de lá não votou nele?", questionavam os locutores no programa de Dilma.

Na sexta-feira, 10, a pedido da coligação tucana, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) suspendeu uma inserção usada pela campanha petista que dizia que o tucano gastou "milhões do dinheiro do mineiro" para "caçar e pescar". O trecho não foi repetido nesta manhã.

A pista, que custou quase R$ 14 milhões ao governo estadual, fica em uma área que pertenceu ao tio-avô de Aécio, Múcio Tolentino. O local foi desapropriado, mas Tolentino questiona o valor na Justiça e a pista não foi homologada pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). O caso foi revelado em julho pela Folha de S.Paulo. Na ocasião, Aécio defendeu a legalidade da obra e disse que a pista fazia parte de um programa estadual. Ele não falou se havia ou não usado o aeroporto em viagens próprias.

Na série de ataques ao tucano, o ex-presidente do Banco Central Arminio Fraga, escolhido pelo tucano para ser ministro da Fazenda caso seja eleito, também voltou a ser alvo. "Quando ele foi presidente do Banco Central o Brasil quebrou três vezes", afirmaram os locutores. "Tá explicado por que Aécio perdeu o jogo em casa", conclui a propagada. O horário eleitoral petista dedicou ainda os 30 segundos finais para veicular uma paródia do hino de Minas: "Oh Minas Gerais, oh Minas Gerais, quem conhece Aécio não vota jamais, oh Minas Gerais".

Aécio Neves. Já o programa do PSDB repetiu trechos apresentados no horário eleitoral exibido na TV, desse domingo, 12. Depois de destacar pesquisas de intenção de voto, o tucano dedicou praticamente todo o programa para falar sobre o apoio recebido da família do ex-governador Eduardo Campo e da ex-ministra Marina Silva, candidata derrotada do PSB. Marina anunciou o apoio nesse domingo.

Na propaganda, Aécio diz ao eleitor que ela não pediu cargos nem ministérios, mas sim que ele levasse adiante propostas em comum de ambas as candidaturas, como o fim da reeleição e a escola em tempo integral. "Olha a Marina chegando, olha o Brasil se unindo, você também é bem vindo", diz o jingle apresentado na propaganda. Ao fim do programa, o comentarista político Cesar Reis critica o PT por separar a população "entre norte, sul, nordeste, sudeste, ricos, pobres". 

Tudo o que sabemos sobre:
EleiçõesDilma RousseffAécio Neves

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.