Ed Ferreira|Estadão
Ed Ferreira|Estadão

No rádio, candidato de Fortaleza apresenta Eunício Oliveira como presidente do Senado

Capitão Wagner (PR) coloca senador aliado do PMDB, cotado para suceder Renan Calheiros, em seu programa eleitoral como chefe da Casa; procurado, ele disse tratar-se de um 'erro'

Igor Gadelha, enviado especial, O Estado de S.Paulo

27 Outubro 2016 | 19h32

FORTALEZA -  A Justiça Eleitoral do Ceará proibiu nesta quinta-feira, 27, propaganda eleitoral no rádio em que o candidato do PR a prefeito de Fortaleza, Capitão Wagner, apresenta o senador Eunício Oliveira (PMDB-CE) como presidente do Senado. O parlamentar é líder do PMDB na Casa e é um dos principais nomes cotados para suceder o atual presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL).

"A propaganda eleitoral contém informação sabidamente inverídica ao atribuir a apoiador do candidato da coligação representada condição que o mesmo não ostenta, in casu, ao apontar o senador Eunício Oliveira como Presidente do Senado da República, posição ocupada por outrem", afirmou o juiz eleitoral Francisco Jaime Medeiros Neto, da 1ª Zona Eleitoral na decisão. As emissoras que descumprirem a determinação estão sujeitas a multa.

Procurada, a assessoria de imprensa de Wagner afirmou tratar-se de um "erro". Ao lado do senador Tasso Jereissati (PSDB-CE), o líder do PMDB no Senado é um dos principais apoiadores da candidatura de Capitão Wagner em Fortaleza. Até então atuando apenas nos bastidores, os dois senadores intensificaram a participação na campanha do aliado nas últimas semanas.

O candidato do PR está em segundo lugar nas pesquisas, mas tem diminuído a diferença contra seu adversário, o atual prefeito de Fortaleza, Roberto Cláudio (PDT), que tenta a reeleição. Nos dois últimos levantamentos do Datafolha/O Povo, o pedetista oscilou de 59% para 56% dos votos válidos, enquanto Capitão Wagner foi de 41% para 44%.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.