Gabriela Biló/Estadão
Gabriela Biló/Estadão

'No primeiro turno, a gente vota no candidato do sonho', diz Marina Silva

Após cair nas pesquisas, candidata da Rede busca combater voto útil nas eleições 2018 para presidente

Marianna Holanda e Cristian Favaro, O Estado de S.Paulo

18 de setembro de 2018 | 19h12

Após desidratar nas últimas pesquisas de intenção de voto, a candidata da Rede ao Planalto, Marina Silva, busca combater o voto útil nas eleições 2018. Em agenda em São Paulo nesta terça-feira, 18, a presidenciável afirmou que o eleitor deve votar no “candidato do sonho” no primeiro turno.

"Numa democracia, numa eleição de dois turnos, a gente não pode inutilizar o voto no primeiro turno. No primeiro turno, a gente vota no candidato do sonho. E é isso que estamos debatendo com a sociedade brasileira", disse, após visitar o primeiro centro de parto humanizado do Brasil, em São Paulo.

Marina tenta agora combater o voto útil, que tende a favorecer Ciro Gomes (PDT) e Fernando Haddad (PT), numericamente à frente nas pesquisas, para um eventual segundo turno contra Jair Bolsonaro (PSL).

A agenda da candidata nesta terça-feira representa um aceno a um eleitorado que ela perdeu nas últimas pesquisas, as mulheres. Marina visitou o Centro de Parto Humanizado Casa Angela, em Jardim Mirante, São Paulo, instituição conveniada ao SUS. 

No local, ao lado de seu vice, Eduardo Jorge (PV), anunciou, o plano Vida Digna, que reúne uma série de iniciativas em saúde, educação e cuidado com a mulher e tem o objetivo também de ampliar em 2,5 milhões as vagas em creches. A proposta prevê ainda ampliar o tempo de licença paternidade.

Questionada por jornalistas sobre a perda da preferência no eleitorado feminino, Marina tentou minimizar. “Essa constatação só se pode fazer no dia 7”, data do primeiro turno. “Mulheres são bem cautelosas em relação às suas escolhas”, afirmou.

Durante a visita, a ex-ministra contou ainda que descobriu recentemente que será avó e contou que ela própria nasceu nas mãos de uma parteira no seringal bagaço, no Acre. Ela exaltou o papel de mães e avós, “guerreiras”, e voltou a criticar a fala do general Hamilton Mourão (PRTB), vice de Bolsonaro, de que famílias sem país e avôs são “fábricas de desajustados”. “Não sei da onde ele constatou isso e da onde ele tira tanta insensibilidade e desrespeito”, disse.

“PT e PSDB nunca conversaram para discutir problemas' 

A ex-ministra aproveitou também para criticar um possível diálogo entre PT e o PSDB, como indiciou o petista Fernando Haddad. Para a candidata, a conversa entre os partidos seria para combater a Operação Lava Jato.

"PT e PSDB nunca conversaram para discutir os problemas da saúde, da segurança pública, da situação de sofrimento que a população está vivendo. Por que conversar agora? Com certeza o assunto deve ser que quem ganhar, sendo um deles, vai combater a ferro e fogo a Lava Jato. É isso que eles querem conversar e é isso que eles têm conversado por baixo do pano", afirmou.

Marina desautoriza apoio de bolsonaristas a candidato da Rede em Pernambuco 

A ex-senadora desautorizou ainda o apoio de “bolsonaristas” ao seu candidato em Pernambuco, Julio Lóssio. “Nós desautorizamos toda e qualquer articulação que possa, no mínimo, flertar com esse tipo de postura autoritária e antidemocrática”, disse.

O Estado mostrou nesta terça-feira o candidato ao governo pernambucano recebeu o apoio dos bolsonaristas Coronel Meira (PRP) e Gilson Machado (PSL). Mesmo que a aliança não seja formal, até porque os partidos não estão coligados no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), a decisão causou constrangimento na sigla. Marina vem se contrapondo a Bolsonaro durante toda a campanha.

“Nós não temos nenhuma vinculação e não autorizamos qualquer relação com os ideais de Bolsonaro”, completou a candidata da Rede.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.