No Piauí, tropas federais reforçam segurança em 144 cidades

Plano de segurança foi montado para combater os crimes eleitorais e fez várias apreensões

Luciano Coelho, O Estado de S.Paulo

02 de outubro de 2016 | 17h43

As eleições no Piauí tiveram o reforço das tropas federais em 62 zonas eleitorais que abrangem 144 municípios para conter os ânimos exaltados dos candidatos, militantes e eleitores. O aplicativo Pardal, do TSE, recebeu 1.558 denúncias de irregularidades durante a eleição. O plano de segurança nas eleições montou esquema especial para combater os crimes eleitorais e fez várias apreensões nas véspera e no dia da votação.

Houve denúncias que facções criminosas estavam atuando nas eleições municipais em alguns municípios piauienses. Por conta disso, a Secretaria de Segurança Pública montou operações especiais nesses municípios citados pelos deputados estaduais aos promotores e aos juízes eleitorais. 

No município de Marcos Parente, uma pessoa foi presa com dinheiro na cueca, R$ 300,00. e uma lista com nome de cabos eleitorais, alguns já riscados, que supostamente já teriam recebido pagamento. 

Em Miguel Alves, um candidato a vereador foi preso com mais de R$ 58 mil em dinheiro. Em Guadalupe, o carro de um deputado estadual foi conduzido ao fórum e revistado, mas não encontraram nada.  Em Parnaíba, o promotor eleitoral pediu a prisão do empresário Samaronne, candidato a vice-prefeito na chapa encabeçada pelo ex-senador Mão Santa (SD), acusado de doação de combustíveis a eleitores em troca de votos. 

Em Dom Inocêncio, há denúncia onde o o marido e filho da candidata à prefeita estariam ameaçando eleitores de seus adversários com armas e até funcionários da Justiça Eleitoral. Eles foram abordados pela polícia que fez revista no veiculo que eles andavam, mas não encontraram nada.

Ao final da votação, o Ministério Público Eleitoral informou que daria uma entrevista coletiva informando todas as ocorrências, prisões e apreensões ocorridas durante o pleito.

A votação em sistema biométrico visa reduzir as fraudes eleitorais. Mas em muitas urnas eletrônicas não houve o reconhecimento da digital do eleitor, e os mesários tiveram que recorrer a assinatura.

Segundo informações da Justiça Eleitoral, 54 urnas eletrônicas tinham apresentado problemas e 18 delas tiveram que ser substituídas por outras. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.