No Pará, Lula ataca Aécio e lembra recusa ao teste do bafômetro

No Pará, Lula ataca Aécio e lembra recusa ao teste do bafômetro

Durante comício, ex-presidente usa episódio ocorrido em 2011 para questionar 'decência' de adversário de Dilma

José Roberto Castro, O Estado de S. Paulo

16 de outubro de 2014 | 10h12

São Paulo - Em um comício do candidato Hélder Barbalho (PMDB) em Ananindeua, no Pará, na noite desta quarta-feira, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva relembrou o episódio em que o candidato Aécio Neves (PSDB) se recusou a fazer um teste do bafômetro para atacar o discurso do adversário da presidente Dilma Rousseff (PT) no 2º turno. No discurso, publicado na página do ex-presidente no Facebook, o petista lembra a apreensão da habilitação de Aécio e a recusa do adversário em fazer o teste do bafômetro.


"Vi esses dias, em um debate na televisão, um candidato dizendo que seu governo era da decência e da competência. Eu fico imaginando: que decência e competência se, às 3 horas da manhã, ele foi parado em uma rua no Rio de Janeiro e se recusou a colocar a boca no bafômetro para dizer se tinha bebido ou não?", questionou. "Como alguém que se recusa a fazer um simples teste do bafômetro pode dizer que vai governar com decência e competência? Palavras são muito fáceis de dizer", completou. Em seguida, Lula chegou a dizer que "pouca gente tem neste País" tanta decência e competência como "Dilma Rousseff e o companheiro Helder".

Na madrugada de 17 de abril de 2011, Aécio foi parado em uma blitz da Lei Seca no Rio de Janeiro e, com a habilitação vencida, se recusou a fazer o teste do bafômetro. A alegação de Aécio foi de que não era necessário fazer o teste uma vez que sua CNH estava vencida.

Sem citar Aécio, Lula repetiu ainda uma crítica feita pelo programa eleitoral de Dilma ao candidato do PSDB, de que o governo tucano não cumpria o piso salarial dos professores em Minas. "Criamos o piso salarial dos professores que nove Estados deste País não cumpriram". Nessa quarta, em horário eleitoral, Aécio classificou como mentirosa a informação da campanha de Dilma.

Em seu discurso, Lula disse que vai fazer nos próximos dias "duas manifestações para a Dilma". Os dois ainda não apareceram juntos neste segundo turno das eleições. Lula anunciou ainda que até o dia da votação vai participar de eventos no Acre, Amazonas, Minas Gerais, Pernambuco e Rio Grande do Sul. "No domingo estarei em frente à televisão para ouvir eles anunciarem que o Helder foi eleito governador do Pará e a Dilma, presidente da República".

Filho do senador Jader Barbalho, Helder Barbalho disputa o segundo turno no Pará contra o atual governador Simão Jatene. No primeiro turno, Barbalho teve 49,88% e Jatene, 48,48%.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.