No Nordeste, Dilma usa crise da água em SP para atacar o PSDB

No Nordeste, Dilma usa crise da água em SP para atacar o PSDB

Presidente volta ao tema para criticar modelo de governo tucano, durante agenda de campanha em Petrolina

Carla Araújo, O Estado de S. Paulo

21 de outubro de 2014 | 15h14

São Paulo - A presidente e candidata à reeleição Dilma Rousseff (PT) voltou a dizer que há falta de planejamento e de gestão nos governos tucanos e usou novamente a crise hídrica vivida no Estado de São Paulo em discurso em Petrolina (PE), no início da tarde desta terça-feira, 21. "São Paulo, o Estado mais rico do País, não se preparou para a seca. Já o governo federal se preparou e trouxe água para o Nordeste", disse a presidente ao lado do seu padrinho político, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Nessa segunda, Dilma negou que estivesse usando a falta d'água em São Paulo de forma eleitoreira.

A presidente destacou os investimentos do governo federal para garantir o abastecimento no Nordeste e disse ter orgulho por ter construído 1 milhão de cisternas no Semiárido nordestino. "Levamos água para nossa gente. Hoje aqui no Nordeste tem cisternas. Tem casa pra morar. Tem garantia da continuidade do Bolsa Família", afirmou.

Dilma disse ainda que, "diferente do governo do PSDB", o PT governa para a população mais pobre do Brasil. "Incluímos o pobre no Orçamento", afirmou. A petista reforçou que não vai recuar nesta campanha e que acredita em sua vitória no dia 26 de outubro. "Nós não recuamos. Nós não temos medo deles (PSDB). Nós derrotamos eles 3 vezes e vamos derrotar a 4ª vez."

Ao contar o caso de uma moradora da região, que disse ser agricultora e que hoje tem uma filha na universidade, Dilma disse que a oposição tem uma visão distanciada da realidade do povo nordestino. "Eles (PSDB) que têm uma visão afastada do Brasil não sabem que esse povo (nordestino) é trabalhador, que pagam seus impostos", disse.

Ao pedir o voto, Dilma disse que estava pedindo também "a fé de que nós não deixemos a bola cair". "Diante da urna vamos fazer um manifesto pelo Semiárido, pois assim conquistaremos o direito de governar por mais 4 anos."

Depois de Petrolina, Dilma continua sua agenda de campanha em Pernambuco. Na cidade de Goiana, fará um ato público e na capital Recife faz uma caminhada no fim do dia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.