Nelson Antoine/AP
Nelson Antoine/AP

No exterior, defesa diz que Lula é vítima de 'farsa' para tirá-lo da eleição

Advogado do petista afirmou que ex-presidente foi condenado em processo 'sem evidências para os atos atribuídos a ele'

Marcelo Osakabe, O Estado de S.Paulo

03 Julho 2018 | 14h27

SÃO PAULO - A defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva voltou nesta terça-feira, 3, a difundir fora do Brasil a tese de que o petista, condenado e preso pela Operação Lava Jato, é vítima de uma "farsa" e por isso vem sendo impedido de fazer sua pré-campanha ao Palácio do Planalto. O advogado que defende o petista nas Nações Unidas, Geoffrey Robertson, concedeu uma entrevista coletiva para a imprensa internacional, na qual afirmou que Lula foi condenado em um processo em que não teria sido encontrada nenhuma evidência de contrapartida para os supostos atos de corrupção atribuídos a ele.

+ Lula critica STF e diz que não há razões para acreditar que terá Justiça

A coletiva ocorreu em Genebra, onde fica o Comitê de Direitos Humanos da ONU (EACDH). O advogado britânico disse que Lula "continua lutando" pela sua liberdade e para manter seus direitos políticos, mas que a situação está se tornando "dramática" devido à proximidade do período eleitoral.

O advogado, que falou ao lado de Valeska Teixeira Zanin Martins, que também integra a defesa do ex-presidente, reiterou críticas ao processo conduzido pelo juiz Sergio Moro e disse que ele se comportou como os "juízes da inquisição". "É como se a polícia conduzisse uma investigação e depois tirasse o capacete e colocasse a toga", comparou.

+ Lula deixa de fazer comentários sobre jogos na TV alegando ser candidato

Citando ainda o comentário feito em 2017 pelo presidente do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), para quem a sentença de Moro foi "irrepreensível", o defensor disse que o processo todo "foi uma farsa, comandada por um grupo de juízes determinados a destruir Lula como candidato".

Em maio, o EACDH rejeitou o pedido de cautelar da defesa para que o ex-presidente fosse solto no Brasil, mas disse que continuaria a avaliar a admissibilidade e seu mérito. A própria comissão, no entanto, avisou que dificilmente teria uma posição antes das eleições 2018

+ Para manter Lula candidato, PT pode recorrer até a tratados internacionais

Robertson disse que o órgão das Nações Unidas recomendou ao Brasil que não tomasse "nenhuma atitude para frustrar o caso ou tornar a decisão do comitê inútil". À ONU, o governo brasileiro negou que o ex-presidente sofra perseguição política.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.