TV Globo/Reprodução
TV Globo/Reprodução

'Ninguém, nem Lula, teve uma votação tão massiva no 1º turno como eu', diz Bolsonaro

O capitão reformado teve 46% dos votos válidos e disputa o 2º turno contra o petista Fernando Haddad

Cristian Favaro, O Estado de S.Paulo

09 Outubro 2018 | 15h26

Correções: 09/10/2018 | 16h57

O candidato do PSL ao Planalto, Jair Bolsonaro, saiu em defesa de sua candidatura e do apoio popular que recebeu das urnas no primeiro turno. "Ninguém, nem mesmo Lula, teve uma votação tão massiva no primeiro turno como eu", afirmou, em entrevista à Rádio Jovem Pan, na tarde desta terça-feira. O capitão do exército teve 46,03% dos votos válidos, contra 29,28% dos votos para o petista Fernando Haddad. Os dois disputam o segundo turno no dia 28.

A afirmação de Bolsonaro leva em consideração apenas o número de votos absolutos. No primeiro turno de 2006, em uma disputa com o ex-governador paulista e presidenciável do PSDB derrotado nessas eleições, Geraldo Alckmin, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) esteve perto de liquidar a eleição, com 48,61% dos votos válidos, porcentual acima do que registrou Bolsonaro no último domingo, 07. Isso representou, à época, 46,6 milhões de votos. Em 2018, Bolsonaro obteve 49,2 milhões, o que corresponde a 46,03%. 

Bolsonaro voltou a colocar em xeque a segurança da urnas eletrônicas, citando casos divulgados nas redes sociais com possíveis fraudes. O Tribunal Superior Eleitoral, entretanto, negou a veracidade de muitas dessas denúncias. Mesmo com o questionamento, Bolsonaro afirmou que respeitará o resultado diante de eventual derrota no dia 28. "Vamos respeitar as eleições, mas essas dúvidas precisam ser sanadas", disse.

Na entrevista, o cabeça de chapa do PSL foi questionado sobre a recente afirmação de que "quer acabar com toda a forma de ativismo". Bolsonaro explicou que se referia ao ativismo "xiita". "Vamos botar um ponto final no ativismo xiita, que vive com dinheiro de ONG", disse, acrescentando que o dinheiro público precisa ser respeitado.

Correções
09/10/2018 | 16h57

A primeira versão deste texto afirmava que a declaração de Bolsonaro não condizia com a verdade ao se referir que ninguém teve uma votação massiva como a dele no primeiro turno. Diferentemente do que informou o texto, a afirmação de Bolsonaro é correta se levado em consideração números absolutos (49,2 milhões de votos). Em 2006, Lula obteve menos votos (46,6 milhões), porém o porcentual dos votos válidos do petista foi maior (48,61%, ante os 46,03% obtidos pelo candidato do PSL em 2018 ).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.