'Ninguém acredita' mas D'Urso é candidato, diz PTB

Campos Machado, presidente do partido em São Paulo, diz que lançamento do advogado 'é para valer' e que agora 'não tem como recuar' da situação

JULIA DUAILIBI, O Estado de S.Paulo

22 Junho 2012 | 03h09

Cortejado por tucanos e petistas para indicar o candidato a vice na eleição pela Prefeitura de São Paulo, o presidente do PTB paulista, Campos Machado, disse ser para valer a candidatura a prefeito de Luiz Flávio D'Urso e afirmou que o colega vive um dilema "shakespeariano", já que "ninguém acredita que ele é candidato".

"Eles acham que vamos acabar sendo vice de um ou de outro, como sempre ocorreu em São Paulo. Mas agora eu não tenho como recuar dessa situação, que é fundamental para o futuro do partido. Se quero ter um partido sério, preciso definir posição. Para mim, seria muito mais cômodo ter candidato a vice, porque vice não perde eleição", disse o deputado estadual. "Sabe qual é o problema? D'Urso vive o dilema shakespeariano. Ninguém acredita que ele é candidato."

Em busca de tempo de TV, o pré-candidato do PSDB, José Serra, procurou Campos, após perder o PP para Fernando Haddad (PT). O PTB tem 49 segundos em cada um dos dois blocos da propaganda eleitoral na TV.

Dirigentes do PT paulista e paulistano também conversaram com o parlamentar e o sondaram sobre uma aliança. O partido procura um vice para Haddad, depois que a deputada Luiza Erundina (PSB-SP) declinou do convite nesta semana.

'Sondado'. Campos disse que, na verdade, foi apenas "sondado" pelos dois partidos. Anteontem, D'Urso afirmou que os convites haviam sido feitos, e que Campos daria uma resposta aos partidos nos próximos dias. "Falei para o D'Urso: 'Deixa acontecer, temos que ser educados com as pessoas, não precisa dizer que não vai (aceitar o convite), está resolvido já. Fala que vai pensar'. Só que ele foi educado demais", contou. Disse que conversou com Edinho Silva, presidente estadual do PT, que foi "muito discreto, muito gentil", mas que ele o questionou apenas sobre o início de conversações.

Campos foi candidato a vice-prefeito na chapa de Alckmin em 2008. Em 2004, o PTB, em lua de mel com o governo, apoiou a candidatura de Marta Suplicy (PT). Hoje, o deputado estadual diz só ter compromisso político com Alckmin. "Mas o partido dele é o PSDB, o meu é o PTB. Quando ele for candidato em 2014, o PTB vai apoiá-lo. Vai ser a última vez que apoiaremos candidato majoritário que não seja do PTB."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.