Netinho quer cobrar pedágio urbano em SP

Pré-candidato do PC do B à Prefeitura de São Paulo, o vereador Netinho de Paula saiu ontem em defesa do pedágio urbano. Ele foi o primeiro a dizer que, se for eleito em outubro, quer adotar a cobrança de uma taxa para automóveis circularem na região central da cidade. "Eu defendo a adoção do pedágio urbano. Defendo que a gente crie bolsões para as pessoas deixarem o carro e que só entrem no centro pessoas que venham de transporte público de qualidade e de moto", afirmou o parlamentar, em entrevista ao Grupo Estado.

O Estado de S.Paulo

26 de abril de 2012 | 03h02

Para Netinho, a medida poderia ser adotada ao longo dos quatro anos de mandato. O vereador acredita que, com a arrecadação anual da Prefeitura com multas de trânsito - a previsão para 2012 supera os R$ 832 milhões -, seria possível desapropriar áreas para a criação desses bolsões. "Já existem estudos para isso. Não é inventar a roda", argumentou Netinho. "É uma questão de prioridade."

A adoção do pedágio urbano - medida já em vigor em cidades como Londres, Estocolmo e Cingapura e defendida por parte dos especialistas em trânsito e urbanismo - encontra resistência na capital paulista. Em 2008, quando concorria à reeleição, o prefeito Gilberto Kassab (PSD) chegou a enviar à Câmara Municipal um projeto de lei prevendo a cobrança de taxa para circulação em determinadas regiões, mas retirou o texto do Legislativo diante da repercussão negativa.

Agressão. Netinho foi entrevistado ontem pela rádio Estadão ESPN e pela TV Estadão. Nas duas ocasiões, o vereador foi questionado sobre a agressão contra sua mulher, ocorrida em 2004. Ele revelou que chegou a rastrear provedores de sites e blogs que mencionavam o episódio. "A gente procurava saber onde ficava o provedor e descobrimos que fica fora do País. É uma força organizada, preocupada com meu crescimento político", acredita Netinho.

O vereador afirmou que há conversas em andamento para a consolidação de uma "terceira via" nas eleições paulistanas, a fim de combater a polarização entre o PSDB do ex-governador José Serra e o PT do ex-ministro Fernando Haddad.

Netinho quer marcar na próxima semana uma reunião com o vice-presidente da República, Michel Temer, principal fiador da pré-candidatura do deputado Gabriel Chalita, e com o ex-deputado Celso Russomanno (PRB), mais bem colocado desse grupo nas pesquisas de intenção de voto, atrás apenas de Serra. O vereador admite abrir mão da candidatura para selar a união. / DAIENE CARDOSO, ELIZABETH LOPES e IURI PITTA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.