Negri se reelege em Piracicaba com folga de 100 mil votos

Ex-ministro liderou pesquisas durante toda a campanha, com cerca de 70% das intenções

06 de outubro de 2008 | 00h16

Com 74,23% dos votos apurados, já era possível afirmar que o prefeito de Piracicaba, Barjas Negri (PSDB), havia vencido a eleição. A esta altura da apuração, Negri tinha nada menos que 88,41% dos votos válidos, totalizando 130.733. O segundo colocado, Antônio Boldrin (PT), tinha 6,2% dos votos válidos, num total de 9.163.   O terceiro colocado, João Pauli (PV), somava 6.095 votos (4,12%), enquanto brancos eram 6.191 e nulos, 8.705. Deixaram de votar 25.518 eleitores. Negri, 58 anos, é nascido em São Paulo e ficou conhecido no País ao assumir o Ministério da Saúde, em 2002. Permaneceu no cargo até 2004, quando venceu as eleições para a Prefeitura de Piracicaba. Ele teve seu nome envolvido no Escândalo das Sanguessugas - esquema de compra de ambulâncias superfaturadas -, mas a relação nunca foi comprovada.   Toda a campanha teve a liderança de Negri. Negri manteve pelo menos 70% de vantagem nas intenções de voto. Os outros seis candidatos - Boldrin, Pauli, Adelmo Lindo Baiano (PCdoB), André Tietz (PSOL), Gustavo Herrmann (PSB), e Marina Madeira (PCO) - ficaram entre 0% e 5% nas pesquisas.   A confirmação do segundo mandato de Negri garante ao PSDB uma das principais cidades paulistas, que divide o pólo sucro-alcooleiro com Ribeirão Preto. Para 2009, Piracicaba também terá uma aumento orçamentário de 20,2% em relação a 2008, totalizando R$ 668 milhões, segundo informa o site oficial da prefeitura.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.