Fabio Motta/Estadão
Fabio Motta/Estadão

Nas ruas, camisetas refletem política personalista

Para especialistas, ao priorizar candidatos e deixar partidos de lado, peças espelham o comportamento dos eleitores, que subestimam as legendas

Renata Cafardo, O Estado de S.Paulo

21 de outubro de 2018 | 06h00

SÃO PAULO - Difícil a barraca ficar 15 segundos sem cliente algum. Também não demoram as caras feias e os protestos de quem passa pela loja improvisada na calçada da Rua 25 de Março, no centro de São Paulo. “Ele não”, gritam adolescentes em grupo. O único produto disponível só varia de cor ou inscrição: “Acabou a palhaçada, Bolsonaro presidente”, “É melhor Jair se acostumando”, “Deus acima de tudo”. Instalada na frente de um dos armarinhos mais movimentados da região, a banca vende cerca de 300 camisetas por dia com o rosto do candidato à Presidência pelo PSL, Jair Bolsonaro

“Eu confio nele, na pessoa, não importa o partido”, diz o metalúrgico Ademir Silva, de 49 anos, que pagava R$ 20 por um modelo de cor preta. Em 2002, ele votou em Luiz Inácio Lula da Silva, do PT, mas conta que “se decepcionou”. “A cultura política no Brasil é personalista, os brasileiros buscam constantemente salvadores da Pátria, que expurgariam todos os nossos males”, explica o cientista político e professor da Universidade Mackenzie Rodrigo Prando.

Segundo analistas, outros políticos já tiveram também esse papel na história do País, como Getúlio Vargas, Jânio Quadros, Paulo Maluf, Fernando Collor e o próprio Lula.

As eleições deste ano começaram justamente com o ex-presidente em primeiro lugar nas pesquisas. Mesmo condenado e preso, ele chegou a ter 39% das intenções de voto. Depois, com a mudança para o nome de Fernando Haddad, seus eleitores transferiram o voto, declarando que nem sequer conheciam o ex-prefeito de São Paulo, mas ele era “o candidato do Lula”. A referência ao ex-presidente foi usada em todo o primeiro turno pelo PT.

Emoção

“Não é um traço da esquerda ou da direita. Isso remonta à nossa formação de sociedade patriarcal, à tradição portuguesa”, diz o cientista político e professor do Insper Carlos Melo. Para Prando, o comportamento também vem do fato de as relações no Brasil serem muito assentadas na emoção. “Apenas o carisma e a personalidade do Bolsonaro conseguiram enfrentar o carisma e personalidade do Lula”, acredita. Ele diz que, em geral, os brasileiros gostam da ideia de ter um político que é como “um pai protetor”.

“Ele é o mito, acho que vai tirar a gente desse buraco”, diz o funcionário público Walter Moreno, de 40 anos, enquanto a mulher escolhia qual camiseta de Bolsonaro iria levar. Moreno acredita que o candidato, se eleito, não vai facilitar para os sem-terra nem “dar muito benefício para quem não trabalha”. “Ele é sincero. A melhor frase dele é que Deus está acima de tudo”, emenda o publicitário Cleber Faria, de 48 anos. 

Um casal de jovens de cabelo azul e piercing se interessa pelas camisetas, mas não leva. Pouco depois, um homem se aproxima da barraca com o celular. Ele grava um vídeo mostrando os vários tipos de camisetas com a estampa de Bolsonaro e diz: “Dia 29 (dia seguinte ao segundo turno) vai ser feriado, todo mundo na Paulista”. A dona da banca, Maria Ferreira, de 58 anos, conta que deixou para trás os outros modelos que vendia antes das eleições. “Você puxa na internet e sai tudinho”, diz, sobre como criou as estampas. A barraca ao lado, que vende biquínis e camisetas do Super-Homem, está vazia. 

Rio

Na Saara, local de tradicional comércio popular no Rio, as camisetas com o rosto do candidato do PSL disputam espaço com as que trazem a frase “Ele não”. Entre os outros modelos, há só referências pessoais, a Haddad, à vice em sua chapa, Manuela d’Ávila, e ao presidente Michel Temer – mas nada de partidos. 

Para o professor de História do Brasil da Universidade de São Paulo (USP) Marcos Napolitano, apesar de o voto ser muito personalizado, não se pode subestimar a importância dos partidos. “Ao longo da história do País, a gente assiste a uma série de crises políticas porque o governante entra em choque com o Congresso, com o sistema de partidos.”

Ele cita Fernando Collor e Getúlio Vargas. “É preciso entender que não há salvadores da Pátria e os partidos precisam ser construídos com participação popular.”

“A grande questão é a decepção com esse líder messiânico que pode acontecer logo depois”, diz Melo, do Insper. Para ele, enquanto o País não criar uma outra cultura política, vai repetir os erros do passado. “Em democracias avançadas, com partidos consolidados, esse personalismo não acontece.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.