Fabio Motta/Estadão
Fabio Motta/Estadão

Nas ruas, camisetas refletem política personalista

Para especialistas, ao priorizar candidatos e deixar partidos de lado, peças espelham o comportamento dos eleitores, que subestimam as legendas

Renata Cafardo, O Estado de S.Paulo

21 de outubro de 2018 | 06h00

SÃO PAULO - Difícil a barraca ficar 15 segundos sem cliente algum. Também não demoram as caras feias e os protestos de quem passa pela loja improvisada na calçada da Rua 25 de Março, no centro de São Paulo. “Ele não”, gritam adolescentes em grupo. O único produto disponível só varia de cor ou inscrição: “Acabou a palhaçada, Bolsonaro presidente”, “É melhor Jair se acostumando”, “Deus acima de tudo”. Instalada na frente de um dos armarinhos mais movimentados da região, a banca vende cerca de 300 camisetas por dia com o rosto do candidato à Presidência pelo PSL, Jair Bolsonaro

“Eu confio nele, na pessoa, não importa o partido”, diz o metalúrgico Ademir Silva, de 49 anos, que pagava R$ 20 por um modelo de cor preta. Em 2002, ele votou em Luiz Inácio Lula da Silva, do PT, mas conta que “se decepcionou”. “A cultura política no Brasil é personalista, os brasileiros buscam constantemente salvadores da Pátria, que expurgariam todos os nossos males”, explica o cientista político e professor da Universidade Mackenzie Rodrigo Prando.

Segundo analistas, outros políticos já tiveram também esse papel na história do País, como Getúlio Vargas, Jânio Quadros, Paulo Maluf, Fernando Collor e o próprio Lula.

As eleições deste ano começaram justamente com o ex-presidente em primeiro lugar nas pesquisas. Mesmo condenado e preso, ele chegou a ter 39% das intenções de voto. Depois, com a mudança para o nome de Fernando Haddad, seus eleitores transferiram o voto, declarando que nem sequer conheciam o ex-prefeito de São Paulo, mas ele era “o candidato do Lula”. A referência ao ex-presidente foi usada em todo o primeiro turno pelo PT.

Emoção

“Não é um traço da esquerda ou da direita. Isso remonta à nossa formação de sociedade patriarcal, à tradição portuguesa”, diz o cientista político e professor do Insper Carlos Melo. Para Prando, o comportamento também vem do fato de as relações no Brasil serem muito assentadas na emoção. “Apenas o carisma e a personalidade do Bolsonaro conseguiram enfrentar o carisma e personalidade do Lula”, acredita. Ele diz que, em geral, os brasileiros gostam da ideia de ter um político que é como “um pai protetor”.

“Ele é o mito, acho que vai tirar a gente desse buraco”, diz o funcionário público Walter Moreno, de 40 anos, enquanto a mulher escolhia qual camiseta de Bolsonaro iria levar. Moreno acredita que o candidato, se eleito, não vai facilitar para os sem-terra nem “dar muito benefício para quem não trabalha”. “Ele é sincero. A melhor frase dele é que Deus está acima de tudo”, emenda o publicitário Cleber Faria, de 48 anos. 

Um casal de jovens de cabelo azul e piercing se interessa pelas camisetas, mas não leva. Pouco depois, um homem se aproxima da barraca com o celular. Ele grava um vídeo mostrando os vários tipos de camisetas com a estampa de Bolsonaro e diz: “Dia 29 (dia seguinte ao segundo turno) vai ser feriado, todo mundo na Paulista”. A dona da banca, Maria Ferreira, de 58 anos, conta que deixou para trás os outros modelos que vendia antes das eleições. “Você puxa na internet e sai tudinho”, diz, sobre como criou as estampas. A barraca ao lado, que vende biquínis e camisetas do Super-Homem, está vazia. 

Rio

Na Saara, local de tradicional comércio popular no Rio, as camisetas com o rosto do candidato do PSL disputam espaço com as que trazem a frase “Ele não”. Entre os outros modelos, há só referências pessoais, a Haddad, à vice em sua chapa, Manuela d’Ávila, e ao presidente Michel Temer – mas nada de partidos. 

Para o professor de História do Brasil da Universidade de São Paulo (USP) Marcos Napolitano, apesar de o voto ser muito personalizado, não se pode subestimar a importância dos partidos. “Ao longo da história do País, a gente assiste a uma série de crises políticas porque o governante entra em choque com o Congresso, com o sistema de partidos.”

Ele cita Fernando Collor e Getúlio Vargas. “É preciso entender que não há salvadores da Pátria e os partidos precisam ser construídos com participação popular.”

“A grande questão é a decepção com esse líder messiânico que pode acontecer logo depois”, diz Melo, do Insper. Para ele, enquanto o País não criar uma outra cultura política, vai repetir os erros do passado. “Em democracias avançadas, com partidos consolidados, esse personalismo não acontece.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.