Não vejo palanque duplo em São Paulo, diz Skaf

Candidato do PMDB ao governo do Estado afirma que sua candidatura é 'independente'; devido a aliança com o PT na chapa presidencial, sigla terá de abrir palanque para Dilma

Carla Araújo e Ricardo Brandt, Agência Estado

23 de julho de 2014 | 16h45

São Paulo - O candidato ao governo do Estado, Paulo Skaf (PMDB), afirmou na tarde desta quarta-feira, 23, que não vê espaço em seu palanque para a presidente Dilma Rousseff (PT). "Eu não enxergo palanque duplo. O palanque da presidente Dilma, como ela é do PT, o palanque natural dela é do candidato do PT. É assim que eu enxergo", afirmou.

Por conta da chapa presidencial entre PT e PMDB, que tem o peemedebista Michel Temer como vice de Dilma, apesar da resistência de Skaf e do marqueteiro Duda Mendonça, a campanha peemedebista terá que abrir espaço para a candidatura de Dilma no Estado.

O PMDB paulista e a coordenação de campanha de Skaf se reuniram nesta quarta em São Paulo para definir a logística da campanha, como montagem de comitês e material. Uma definição foi que os candidatos da Coligação São Paulo Quer o Melhor poderão incluir o nome de Dilma.

Retomando o discurso de que no Estado PT e PMDB são adversários, Skaf afirmou que sua candidatura é "independente". "É uma candidatura que não tem nenhum vínculo com o PT, nem um vínculo com o PSDB", afirmou.  "O PT é nosso adversário assim como o PSDB, a nossa proposta que é independente do PT e do PSDB", afirmou.

Apesar de afirmar que não pretende abrir o palanque para o PT, ao dizer que sua proposta é de "modernização do Estado", Skaf afirmou que há 20 anos o Estado tem a mesma visão, numa referência ao atual governador e seu oponente Geraldo Alckmin, já que o PSDB é o partido que governa São Paulo desde 1995. "Há 20 anos (o governo) tem o mesmo jeito de se fazer as coisas, as mesmas pessoas governam São Paulo."

Skaf disse ainda que "há 20 anos, o PT e o PSDB polarizam em São Paulo". "A nossa proposta é oferecer uma visão nova, um jeito diferente de se fazer as coisas", disse, ressaltando que pretende buscar mais eficiência para o Estado. "Isso significa a nossa candidatura", disse.

Skaf participou nesta quarta-feira da cerimônia de formatura de engenharia do Mackenzie, na capital paulista. O empresário e candidato foi patrono da turma.

Tudo o que sabemos sobre:
EleiçõesPaulo SkafDilma Rousseff

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.