Tiago Queiroz/Estadão
Tiago Queiroz/Estadão

Não sou político de carreira, diz Arthur do Val

Em entrevista à Rádio Eldorado, candidato do Patriota afirma que não faz 'conchavo político'

Redação, O Estado de S.Paulo

22 de outubro de 2020 | 10h06

Eleito deputado estadual em 2018 com a segunda maior votação de São Paulo, Arthur do Val (Patriota) não vê problema em deixar o atual mandato para assumir a Prefeitura caso seja vitorioso nas urnas em novembro. Para o candidato, a mudança equivaleria a estar num “degrau acima” e se tornar “mais relevante” na defesa de suas bandeiras. Em entrevista à Rádio Eldorado, afirmou não ser "político de carreira".

Do Val disse que, caso eleito, vai “cumprir os quatro anos” como prefeito, e busca se diferenciar de João Doria (PSDB), que em 2018 deixou a prefeitura para se lançar ao governo do Estado. 

 

“Quando você sai de deputado e vai ser prefeito da maior capital do País, você está tomando um degrau acima, você está sendo muito mais relevante para as lutas do que nós consideramos correto, do que é ser liberal, diminuir o Estado dos ombros das pessoas”, afirmou Arthur do Val em entrevista à Rádio Eldorado nesta quinta-feira, 22. “Mais do que isso, diferente do Doria, eu afirmo aqui: se eleito prefeito, vou cumprir os quatro anos, porque não existe bom prefeito com um ano e meio de mandato.”

Na campanha, Arthur do Val ressalta sua trajetória na iniciativa privada, propõe um governo liberal e promete acabar com a Cracolândia, iniciativas que também fizeram parte do discurso de Doria em 2016. Ele, porém, nega semelhanças. “(O Doria trouxe) aquela história de ‘não sou político, sou gestor’, quando na verdade ele estava num partido tradicional gigante, repleto de alianças políticas. No meu caso, é completamente diferente, eu não sou político de carreira, não estou num partido tradicional e não fiz conchavo político”, afirmou o candidato, que logo depois emendou: “Eu trago a oportunidade de resolvermos os problemas de São Paulo de maneira técnica, e não política”. 

Durante a entrevista à Rádio Eldorado, Arthur do Val também respondeu sobre temas como sua fama de "brigão", suas propostas para a Cracolândia e críticas que ele já fez ao Supremo Tribunal Federal (STF). Questionado se, neste momento de pandemia de coronavírus, manteria escolas abertas, o candidato afirmou que hoje não tem influência nessas decisões, e que esse debate está sendo “raso”. Arthur do Val ainda defendeu uma “parceria com a Faria Lima” em projetos de educação, “para trazer a educação financeira, Economia e Direito básico para essas crianças”.

Para Entender

Veja propostas de Arthur do Val

Confira quais são os principais pontos do plano de governo do candidato do Patriota para a Prefeitura de São Paulo nas áreas da Saúde, Educação, Emprego, Transporte, Segurança, Meio Ambiente e Habitação

Programação

As sabatinas da Rádio Eldorado tiveram início nesta segunda-feira, 19. Além de Arthur do Val, já foram entrevistados o candidato do PSOL à Prefeitura de São Paulo, Guilherme Boulos, o prefeito Bruno Covas, que concorre à reeleição, e Márcio França, que disputa a prefeitura pelo PSB. As entrevistas duram 20 minutos, sempre a partir das 8h, e são comandadas por Carolina Ercolin, Haisem Abaki e jornalistas convidados do Estadão.

Todas as entrevistas são transmitidas em FM 107,3, no site radioleldorado.com.br e em facebook.com/radioeldorado.

Veja abaixo a lista dos entrevistados:

19.10 - Guilherme Boulos (PSOL) 

20.10 - Bruno Covas (PSDB)

21.10 - Márcio França (PSB)

22.10 - Arthur do Val (Patriota)

23.10 - Celso Russomanno (Republicanos)

26.10 - Filipe Sabará (Novo)

27.10 - Joice Hasselmann (PSL)

28.10 - Jilmar Tatto (PT)

29.10 - Orlando Silva (PC do B)

30.10 - Andrea Matarazzo (PSD)

02.11 - Vera Lúcia (PSTU)

03.11 - Marina Helou (Rede)

04.11 - Levy Fidelix (PRTB)

05.11 - Antonio Carlos (PCO)

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.