Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

'Não quero mais saber de política', desabafa ex-ministra

Demitida na esteira de uma operação política encampada pelo Planalto para fortalecer a campanha do petista Fernando Haddad, a cantora e compositora Ana de Hollanda desabafou: "Não quero mais saber de política", disse ontem ao Estado.

BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

14 de setembro de 2012 | 10h10

A ex-ministra não concorda com quem diz que ela serviu de barganha para a campanha de Haddad, mas também esquiva-se de responder o motivo da demissão. "Isso você pergunta para ela (a presidente Dilma Rousseff)", limitou-se a dizer. Mas fez questão de pontuar que não sai "magoada de forma alguma".

Ana de Hollanda afirmou ainda que não havia sido informada sobre a demissão, mas que a decisão não a surpreendeu: "Sempre soube que este tinha sido um convite muito pessoal da presidenta para mim", respondeu reconhecendo não compor estratégia no tabuleiro político.

Ela relembrou que já vivenciou a administração pública antes, em cargos como o de secretária de Cultura em Osasco (SP), mas tudo incomparável "à magnitude de um ministério". "Agora quero só produzir arte e ficar do outro lado do balcão mesmo."

No tempo em que ocupou o cargo, Ana foi atacada "com pressões injustas e excessivas", segundo palavras de Dilma durante o evento da transmissão de cargo. Sobre o assunto, a ex-ministra admitiu: "Fiz muitos inimigos enquanto estive no ministério. Desagradei a muita gente, contrariei muitos interesses". E avalia que foi um período sofrido. "Passei muito tempo tentando entender porque pessoas que nem me conheciam falavam coisas tão baixas. Depois compreendi que não era nada contra a minha pessoa, mas contra a política, uma coisa do cargo mesmo."

Durante seu pronunciamento de despedida, Ana conteve as lágrimas. Já oficialmente desempossada, chorou à vontade ao receber os cumprimentos dos colegas. "É um choro de felicidade, pelo reconhecimento do meu trabalho." Ela disse que agora, já fora do papel de ministra, pode ser mais espontânea. "Acabo de voltar a ser a Ana que sempre trabalhou com a emoção. Não preciso mais esconder meus sentimentos de vocês (jornalistas). Agora vou voltar a viver naturalmente." / D.B.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.