Paulo Giandalia/Estadão
Paulo Giandalia/Estadão

'Não leio Fernando Henrique', diz Lula sobre artigo de tucano

Ex-presidente escreveu que petista atinge sua "honra" ao falar sobre emenda da reeleição para se defender do mensalão e propôs "fim das pedradas"

Carla Araújo e Valmar Hupsel, O Estado de S. Paulo

16 de julho de 2014 | 13h13

São Paulo - O ex-presidente Luiz Inácio lula da Silva evitou comentar as declarações do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso sobre o escândalo do mensalão. "Eu não leio Fernando Henrique", disse rapidamente aos jornalistas, durante evento oficial do prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (SP).

Em texto divulgado nessa terça-feira, 15, no site Observador Político, FHC disse que Lula tenta atingir sua "honra" com acusações de que houve corrupção no governo do PSDB em casos como a aprovação da emenda para a reeleição. "Para se defender, Lula ataca. Jamais se explica, sempre acusa. Acostumado a atirar pedras, Lula é incapaz da autocrítica. Quando deveria, de forma rigorosa, abominar a prática da corrupção, ele tenta distrair a opinião pública jogando culpa nos outros", escreveu. No texto, o tucano propôs o fim das acusações: "Por que não nos juntamos para corrigir o que de malfeito há na vida política brasileira, em vez de jogar pedras uns nos outros?".

Lula participou nesta manhã da abertura da Central Mecanizada de Triagem Carolina Maria Jesus, em Santo Amaro, na zona sul da capital paulista. Essa é a primeira agenda do ex-presidente com Haddad depois que publicamente, durante a convenção estadual do partido, em junho, Lula chamou atenção do prefeito para que fizesse propaganda de suas realizações.

Ao ser questionado se a baixa popularidade do prefeito - que tem apenas 17% de aprovação, segundo pesquisa do Datafolha - pode ter impacto negativo sobre a candidatura do ex-ministro Alexandre Padilha ao governo do Estado, Lula disse que "Haddad será um bom cabo eleitoral".

Haddad chegou antes do ex-presidente e conheceu o local. Lula chegou um pouco depois, chamou bastante atenção dos trabalhadores, que tiraram muitas fotos. Muitos pediram "selfies" com Lula.

Em seu discurso, durante o evento, Haddad enfatizou que a inauguração de hoje faz parte de uma agenda ambiental que o município planeja para os próximos 20 anos e ressaltou uma de suas promessas de campanha. "Ironizaram sobre a meta de 10% de coletiva seletiva, mas com essas duas centrais chegamos a 7% e com as duas que vamos inaugurar, vamos superar nossa meta", disse Haddad.

Tudo o que sabemos sobre:
eleiçõesLulamensalãoFHC

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.