Não há envolvimento com a contravenção, diz tucano

O governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB), defendeu ontem seu governo de um suposto envolvimento com o contraventor Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, preso pela Polícia Federal em fevereiro, durante a operação Monte Carlo, que investiga a exploração de jogos ilegais em Goiás. "Não há envolvimento do governo com a contravenção", disse Marconi, em entrevista a uma TV de Goiânia.

RUBENS SANTOS , ESPECIAL PARA O ESTADO / GOIÂNIA, O Estado de S.Paulo

05 de abril de 2012 | 03h06

Ele disse ainda ter determinado ao secretário de Segurança Pública do Estado, João Furtado, levantamento da operação de destruição de máquinas caça-níqueis desde janeiro de 2011.

"Desde o início determinei o combate efetivo à contravenção no Estado", afirmou o governador, dizendo-se tranquilo quanto às investigações. Acrescentou que policiais civis e militares, presos sob suspeita de envolvimento com "ilícitos", foram soltos pela Justiça.

Marconi citou o apoio de seu partido, em especial dos senadores. Entre eles o senador Álvaro Dias (PR), que o tem defendido na tribuna. E surpreendeu, ao revelar que teve acesso ao relatório da PF sobre a Operação Monte Carlo, acrescentando que o documento não aponta ligação entre ele, o governo estadual e o esquema de Carlinhos Cachoeira.

Mesmo assim, Marconi ressaltou que fará uma reforma administrativa. Marconi evitou entrar em detalhes sobre o pedido de demissão da chefe de seu gabinete, Eliane Gonçalves Pinheiro.

Conforme a PF, ela teria obtido informações sigilosas sobre operações policiais direcionadas a Cachoeira. "Não tenho nada a temer", escreveu Eliane na carta de demissão. "Fui vítima de um equívoco, pela coincidência de meu nome com o de outra Eliane, que desconheço, e que protagoniza conversas telefônicas grampeadas."

Ficha Limpa. Além da destruição de uma centena de máquinas caça-níqueis, nos últimos quatro dias em Goiânia e na vizinha Aparecida de Goiânia, o Diário Oficial do Estado publicou, ontem, o Decreto 7.587/12, vedando a nomeação de pessoas que tenham sido responsabilizadas ou condenadas pela prática de infração penal, civil ou administrativa nas situações que, descritas pela legislação eleitoral, configurem hipóteses de inelegibilidade.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.