Não fui Dilminha 'paz e amor' todo o tempo, diz presidente

Não fui Dilminha 'paz e amor' todo o tempo, diz presidente

Petista comenta mudança de postura em debate sem ataques pessoais e afirmou que sua agressividade foi uma reação ao clima hostil que vinha ocorrendo

Ricardo Galhardo, O Estado de S. Paulo

20 de outubro de 2014 | 15h20

 A presidente Dilma Rousseff, candidata à reeleição, reconheceu nesse domingo, 19, pouco depois de participar do debate da TV Record, que teve comportamento agressivo em alguns momentos da disputa eleitoral.


Para exemplificar seu comportamento, Dilma usou a expressão "Dilminha paz e amor", inspirada no "Lulinha paz e amor" encarnado pelo então candidato Luiz Inácio Lula da Silva na eleição de 2002. 

"Eu não digo que fui uma Dilminha paz e amor integral mas digo que fui sempre que as condições me permitiram", admitiu a presidente.

Dilma justificou a agressividade tanto em pronunciamentos e entrevistas quanto no debate do SBT, na quinta-feira, e em algumas peças de propaganda no rádio e TV como sendo uma reação ao clima hostil que tomou conta da disputa no segundo turno.

"Tem que haver um meio ambiente (sic) para haver Dilminha paz e amor", explicou a candidata do PT.

Petrobrás. Depois do debate, Dilma voltou a admitir que existiram desvios de recursos na Petrobrás. A presidente foi irônica. "O que eles querem que esteja sendo investigado pelo Ministério Público na delação premiada? Troca de figurinhas? Não. É desvio de dinheiro público. Não há surpresa nenhuma", disse ela.

Embora admita a ocorrência dos desvios, Dilma defendeu a cautela diante do surgimento de nomes supostamente envolvidos com as falcatruas.

"Nomes vai ter para todos os gostos. Mas é melhor esperar porque em um momento desses, sem o aval do Ministério Público e da Justiça, se cometerão muitas injustiças", afirmou.

A declaração acontece um dia depois do surgimento do do nome da senadora Gleisi Hoffmann, ministra da Casa Civil na maior parte do governo Dilma, citada pelo ex-diretor de Abastecimento da estatal, Paulo Roberto Costa.

Quase desmaio. Antes de deixar o estúdio da TV Record, Dilma revelou que teve uma queda de pressão ainda durante o debate do SBT, na quinta-feira.

"Durante o debate, no finalzinho dele, comecei a ter a queda", lembrou a presidente. 

Na quinta-feira, depois do debate, Dilma quase desmaiou quando dava entrevista ao vivo ao SBT. Uma repórter precisou puxar uma cadeira para a presidente sentar e interrompeu a entrevista. 

Pouco depois, já recomposta, Dilma disse que teve a queda de pressão ao se levantar da cadeira que ocupou no SBT, segundo ela muito baixa. O marqueteiro João Santana disse que ela se recusou a comer durante toda a quinta-feira. Para o debate da TV Record, a presidente foi mais precavida. "Comi uns chocolatinhos", disse ela.  

Tudo o que sabemos sobre:
EleiçõesDilma Rousseffdebate

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.