'Não estou preocupada com Kassab', diz Marta Suplicy

Candidata do PT à Prefeitura de São Paulo baixou o tom das críticas ao adversário do DEM e atual prefeito

Carolina Ruhman, da Agência Estado

05 de setembro de 2008 | 13h52

A candidata do PT à Prefeitura de São Paulo, Marta Suplicy, baixou o tom das críticas ao adversário do DEM neste pleito, o prefeito Gilberto Kassab, com quem vinha polarizando discussões ao longo da campanha. "Não estou preocupada com Kassab. Estou aqui hoje falando de uma ação muito importante de nossa gestão, que foi a criação das 15 centrais de reciclagem", disse a petista, ao visitar o Centro de Triagem da Capela do Socorro, em Interlagos, na zona Sul da cidade.   Veja Também:   Veja gráfico com a última pesquisa Ibope/Estado/TV Globo Vereador digital: Conheça os candidatos à Câmara de SP  As regras para as eleições municipais  Tire suas dúvidas sobre as eleições de outubro   Marta enfatizou suas propostas para a coleta de lixo e reciclagem e evitou entrar em disputa com Kassab. Ainda assim, ela aproveitou para alfinetar o prefeito ao citar projetos e compará-los ao Cidade Limpa, programa da atual gestão para acabar com a poluição visual na cidade. Segunda Marta, o programa da candidata mostra "a preocupação de um cidade limpa em um sentido mais amplo". Ela citou a necessidade de coletar lixo em favelas, criar usinas de compostagem e transformar lixo em gás.   Numa crítica indireta à atual gestão, ela afirmou que os aterros sanitários acabaram em São Paulo e prometeu retomá-los, caso seja eleita. Marta visitou o Centro de Triagem da Capela do Socorro, criado em sua gestão na Prefeitura, e cantou parabéns para um dos trabalhadores, que fazia aniversário. Depois, a petista foi fazer corpo a corpo em M'Boi Mirim. A visita ao comércio da região transformou-se quase em um comício, com poucas centenas de pessoas.   Marta subiu em um carro de som e prometeu a construção de policlínicas, um Centro de Educação Unificado (CEU) e duas creches na região, assim como a ampliação do Metrô.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.