'Não discutimos aliança, somos partido da base'

O presidente nacional do PRB, Marcos Pereira, afirma que o fato de a legenda subscrever o manifesto de apoio ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva não significa que a fatura será cobrada a favor de Celso Russomanno num eventual segundo turno da corrida à Prefeitura.

Entrevista com

O Estado de S.Paulo

21 de setembro de 2012 | 03h08

Por que o PRB assinou a nota?

É uma manifestação de apoio ao presidente Lula porque consideramos que não há hipótese alguma de instauração de um inquérito com base na matéria publicada (pela revista Veja), a partir de palavras de terceiros que seriam próximos (do empresário Marcos Valério). Com base nisso não dá (para investigar). Se quem tem o poder de denunciar no momento certo não o fez, não vai ser com denúncia desse tipo.

Como o sr. soube da nota?

O Rui (Falcão, presidente nacional do PT) ligou e leu a nota. Somos um partido da base federal, inclusive temos um ministro (Marcelo Crivella, titular da Pesca) no governo. Concordamos (com os termos da nota).

O PRB assinou porque já projeta aliança com o PT para eventual segundo turno contra José Serra, do PSDB?

Não discutimos nada sobre isso, sobre aliança. O PMDB também assinou e eles têm um candidato (Gabriel Chalita). / FAUSTO MACEDO

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.