Jonathas Cotrim/Estadão
Jonathas Cotrim/Estadão

‘Não conseguimos que a campanha fosse aquilo que devia ser’, diz Ciro

Em visita à região metropolitana de Belo Horizonte, candidato do PDT afirma que tenta romper cenário polarizado e garantir vaga no segundo turno

Jonathas Cotrim, O Estado de S.Paulo

05 Outubro 2018 | 17h26

IBIRITÉ (MG) - O candidato à Presidência pelo PDT nas eleições 2018, Ciro Gomes, afirmou nesta sexta-feira, 5, que a sua campanha não conseguiu quebrar o ambiente polarizado que existe no cenário político nacional. “Infelizmente, até esse momento nós não conseguimos que a campanha fosse aquilo que devia ser”, disse o pedetista, durante caminhada em Ibirité, na região Metropolitana de Belo Horizonte.  

Ciro Gomes explicou que a campanha em 2018 está muito semelhante à de 2014, quando a presidente cassada, Dilma Rousseff (PT), e o senador Aécio Neves (PSDB) polarizaram as eleições. “Parece que a campanha de 2018 é a continuação da guerra política que levou o Brasil à sua maior crise e que começa em 2014”.

“Eu sou o único que pode salvar o Brasil desse confronto”, disse o candidato, destacando que vence os postulantes do PSL, Jair Bolsonaro, e do PT, Fernando Haddad, numa eventual disputa direta no segundo turno, segundo as pesquisas de intenção de voto. Ciro chamou Bolsonaro de “precipitação da direita facista, nazista, militarista e radical” e que pode ser uma “resposta ao anti-petismo”.

A menos de 48 horas para o começo da votação, Ciro está na terceira colocação da pesquisa Ibope/Estado/TV Globo divulgada na quarta-feira, 3, com 10%. Bolsonaro é o líder, com 32% , e Haddad está em segundo com 23%.

Em Minas Gerais, Estado em que o pedetista visita pela segunda vez nesta semana - esteve em Belo Horizonte na terça-feira, 2 -, o cenário é parecido. Ciro continua na terceira colocação com 9% das intenções de voto do eleitorado mineiro, perdendo para Bolsonaro, com 32%, e Haddad, com 23%.

Em Minas, Ciro também fez uma proposta para resolver o problema da crise financeira do Estado, que vem acumulando mais de R$ 8 bilhões de déficit nos últimos três anos. “Vou dispensar Minas por quatro anos do pagamento das parcelas da dívida e indenizar os débitos da Lei Kandir”, disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.