Nanicos ganham 40% mais prefeituras

Os partidos nanicos ganharam poder nas eleições de 2012. Juntos, eles aumentaram o número de prefeituras de 370 para 516, um crescimento de 40%. Entre os grandes partidos, apenas o PSB conseguiu resultado tão bom, com um acréscimo de 42% em cidades conquistadas.

AMANDA ROSSI, O Estado de S.Paulo

31 de outubro de 2012 | 02h06

No total, foram eleitos prefeitos de 15 partidos nanicos, que têm hoje menos de 100 prefeituras cada. Desses 15, 14 cresceram.

Mas essa evolução não significa que houve uma pulverização dos partidos pequenos pelo Brasil. Na maior parte dos casos, os nanicos se concentraram nos Estados onde já tinham representação e se expandiram muito pouco para outras regiões do Brasil. É um indicativo da dependência de lideranças partidárias estaduais e da dificuldade de criar quadros.

Este é o caso do PV, que encabeça a lista dos nanicos. Neste ano, a sigla conseguiu 22 vagas de prefeito a mais, um crescimento de 30%. Metade desse aumento ocorreu nos três Estados onde se concentram 75% dos atuais prefeitos do partido: São Paulo, Maranhão e Minas Gerais. A partir do ano que vem, estes Estados continuarão a ser responsáveis por 70% das prefeituras verdes.

Nestes Estados também estão algumas das principais lideranças do PV, que conseguiram atrair votos para seus correligionários, como os deputados José Luiz Penna, de São Paulo, e Zequinha Sarney, do Maranhão. Já Fernando Gabeira teve pouca influência no eleitorado fluminense: no Estado do Rio, apenas um prefeito verde foi eleito.

O mesmo aconteceu com o PRB, partido ligado à Igreja Universal. Das 24 prefeituras que o partido obteve a mais neste ano, 19 estão no Maranhão, Ceará e Minas Gerais. Hoje, estes três Estados concentram sete entre dez prefeitos do PRB.

Já o PSC, apesar de ter perdido Curitiba no 2.º turno com o candidato Ratinho Júnior, fortaleceu lideranças estaduais e cresceu em número de prefeituras no Paraná.

A lista de nanicos com representação municipal também ganhou dois novos partidos neste ano. O PPL, fundado em 2009, elegeu 12 prefeitos, metade em Minas e no Ceará. O PSOL também conquistou duas prefeituras pela primeira vez, sendo uma capital, Macapá.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.