Na TV, Haddad defende Enem e Serra critica gestão no MEC

Lula participou da propaganda do petista e rebateu ataques do PSDB; tucano disse que rival 'não está preparado' para assumir a Prefeitura

Daiene Cardoso, da Agência Estado

17 de outubro de 2012 | 21h46

Na terceira noite de horário eleitoral na TV, o candidato do PT à Prefeitura de São Paulo, Fernando Haddad, saiu em defesa do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), do Programa Universidade para Todos (ProUni) e do que chamou do "fim dos privilégios" para uma minoria de estudantes a partir do governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Segundo o petista, o Enem se transformou num dos maiores exames de ingresso à universidade do mundo e deu acesso a jovens pobres ao Ensino Superior. Apesar das críticas de seu adversário tucano José Serra, o programa do PT disse que os feitos de Haddad no Ministério da Educação surtiram bons resultados no Censo da Educação Superior, divulgados na terça-feira, 16, pelo MEC.

Na propaganda, Haddad disse que os partidos de oposição entraram na Justiça contra o ProUni e os criticou por explorar as fraudes no Enem nesta campanha. "O curioso disso tudo é que esses críticos do Enem nunca questionaram o elitismo do velho vestibular, que aliás sempre foi muito mais vulnerável a todos os tipos de falhas", afirmou. "Será que esses críticos estão incomodados com o fato do Enem aumentar as chances de um jovem de baixa renda entrar na universidade? Será que eles estão criticando para tirar algum proveito eleitoral? Ou as duas coisas?", questionou o candidato. Haddad lembrou que as fraudes registradas no Enem foram identificadas e os responsáveis respondem a processo judicial.

O ex-presidente Lula voltou a aparecer no programa acusando os tucanos de promoverem ataques contra o petista. Para Lula, Haddad é vítima de ataque porque "toda vez que os mais carentes escolhem um candidato, os tucanos agem assim". "Eles acham que o povo é ingênuo, mas o povo não é burro", disse.

O candidato do PSDB José Serra apostou na exibição de projetos bem-sucedidos em suas gestões no governo estadual e municipal, como o Mãe Paulistana (que dá assistência às gestantes) e o investimento em programas de profissionalização. Segundo a campanha tucana, na época da administração de Marta Suplicy (2001-2004) na Prefeitura, os cursos profissionalizantes foram descontinuados. Contrapondo a campanha petista, que explorou o ProUni no horário eleitoral, Serra prometeu oferecer bolsas aos estudantes interessados em fazer cursos profissionalizantes na rede privada. O tucano também garantiu que vai solucionar o déficit em creches na cidade e, enquanto não houver vagas suficientes, dará uma "bolsa creche" para as mães pagarem cuidadores.

O programa do tucano também criticou a gestão de Haddad no MEC e, nesta quarta-feira, 17, mostrou imagens de hospitais universitários em situação de atendimento precário em algumas regiões do País e voltou a falar da greve dos servidores federais. "É uma vergonha, é um caos", disse um usuário de um hospital universitário. "Vai somando: abandono dos hospitais universitários, crise no Enem três anos seguidos, greve e falta de condições nas universidades federais, aumento de jovens fora da escola no Ensino Médio. Haddad foi o pior ministro da Educação que o Brasil já teve. Não leva a mal não, mas realmente ele não está preparado para dirigir São Paulo", disse o apresentador.

Tudo o que sabemos sobre:
Eleições 2012SPprograma eleitoral

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.