Divulgação
Divulgação

Na reta final, eleição em Guarulhos tem boletins de ocorrência e pedido de cassação

Segundo turno na segunda maior cidade de São Paulo é disputado entre o atual prefeito, Guti (PSD), e Elói Pietá (PT)

Tulio Kruse, O Estado de S.Paulo

28 de novembro de 2020 | 15h00

A disputa por Guarulhos, segunda maior cidade de São Paulo, chegou à reta final das eleições com casos de agressão, denúncias entre as campanhas e processos na Justiça Eleitoral. O segundo turno entre o atual prefeito Gustavo Henric Costa, o Guti (PSD), e o candidato Elói Pietá (PT) rendeu ao menos três boletins de ocorrência e um pedido de cassação de candidatura.

A campanha petista acusa o adversário de usar a Guarda Civil Municipal para intimidar cabos eleitorais, e registrou casos em que militantes foram feridos. O PSD nega as acusações, e diz que os rivais têm se utilizado de propaganda indevida.

Segundo a mais recente pesquisa Ibope em Guarulhos, Guti lidera com 46% das intenções de voto, enquanto Pietá tem 36%. Há ainda 14% que têm intenção de votar em branco ou nulo, e 4% que estão indecisos. Terceira colocada no primeiro turno com pouco mais de 10% dos votos, a candidata Fran Corrêa (PSDB) não declarou apoio claro a nenhum dos dois candidatos.

Em uma das ocorrências, um carro de som da campanha do PT foi cercado por veículos na última terça-feira. Segundo a campanha da oposição, o cerco teria sido acompanhado à distância por viaturas da guarda civil.

Uma militante do partido foi ferida na boca após um objeto ser arremessado contra um carro de som enquanto ela discursava. Já o secretário-geral do PSOL em Guarulhos, Anselmo Pires, foi atingido por um estilhaço enquanto discursava em uma carreata a favor do candidato petista.

“Oficialmente, a campanha nunca foi citada (judicialmente) sobre essas acusações de agressão, não se comprovou nenhuma veracidade”, diz o porta-voz da campanha do PSD, Rodrigo Buffo. “Entendemos que, se existisse um debate de propostas dos dois lados, talvez a população de Guarulhos teria oportunidade de entender o ponto de vista deles.”

Os casos de agressão se intensificaram após a campanha do PT entrar com um pedido de cassação da candidatura de Guti. Eles apresentaram à Justiça Eleitoral imagens de uma suposta distribuição de cestas básicas com um veículo da Prefeitura. A campanha do prefeito diz que se trata de um caso de fake news, e que não participou de qualquer irregularidade. O pedido não foi apreciado pela Justiça.

“Nós vemos um abuso do uso da estrutura administrativa na campanha”, diz o coordenador da campanha do PT, José Luiz Guimarães. “Estamos dando orientações para ninguém entrar em provocações, temos de evitar ao máximo situações de confronto.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.