EFE/Chema Moya
EFE/Chema Moya

Na Espanha, Dilma confirma tendência a disputar vaga no Senado

Presidente cassada também reafirmou que Lula continua sendo candidato do PT à Presidência

Marcelo Osakabe, O Estado de S.Paulo

10 Abril 2018 | 20h34

A presidente cassada Dilma Rousseff confirmou nesta terça-feira, 10, que existe uma "tendência" de que ela possa sair ao Senado pelo Estado, onde nasceu e iniciou a militância política. Ela foi questionada sobre a mudança de domicílio eleitoral para Minas Gerais, requisitada ao Tribunal Regional eleitoral (TRE) na semana passada, em um evento na Espanha.

+ Em turnê internacional, Dilma vai costurar apoio e se deparar com pragmatismo de governos

"Existe agora essa tendência de que eu concorra a senadora pelo Estado de Minas. (Mas) o fato de eu transferir meu título não significa que já me tornei candidata, são dois momentos distintos. Este momento de me tornar candidata se dará em agosto apenas", declarou.

Dilma também afirmou que, embora esteja preso desde o final de semana, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, condenado pela Operação Lava Jato, continua o candidato do PT para as eleições presidenciais deste ano. "Em agosto ficará claro quem são os candidatos presidenciais. Até, lá vamos lutar para que o presidente Lula seja candidato", disse Dilma, ecoando o discurso do partido desde que o líder petista se entregou à Polícia Federal, no sábado, 7.

+ Dilma, Manuela e Boulos vão ao exterior para atos contra a prisão de Lula

A ex-presidente proferiu nesta terça-feira uma palestra na Casa das Américas, em Madri, intitulada "Brasil: uma democracia ameaçada". De hoje até a semana que vem, ela faz um giro internacional na Europa e nos Estados Unidos para divulgar o entendimento de que o ex-presidente é um preso político, vítima de um conluio para tirá-lo das eleições. Lula "nitidamente ganharia as eleições, quanto maior sua perseguição, maior era o destaque que ganhava", disse no evento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.