Na CPI, Dadá também vai ficar calado

Araponga considerado membro do grupo de Cachoeira seguirá estratégia do contraventor

ALANA RIZZO , FÁBIO FABRINI / BRASÍLIA , O Estado de S.Paulo

24 Maio 2012 | 03h11

Principal personagem a depor hoje na CPI do Cachoeira, o araponga Idalberto Matias Araújo, o Dadá, foi orientado a repetir a estratégia usada na terça-feira pelo contraventor Carlinhos Cachoeira, mantendo silêncio diante de deputados e senadores.

Segundo advogados, ele só falará em sindicâncias internas, que apuram sua participação em corrupção de funcionários públicos em troca de vantagens para a organização do contraventor.

O advogado Leonardo Gagno adianta que, em depoimento à Corregedoria do Distrito Federal sobre suposto pagamento de propina a Cláudio Monteiro, ex-chefe de gabinete do governador do DF, Agnelo Queiroz (PT), Dadá vai sustentar que não houve pagamento, embora, nas interceptações telefônicas da Operação Monte Carlo, apareça orientando o ex-diretor da Delta Construções no Centro-Oeste, Cláudio Abreu, a fazê-lo. "Dá o dinheiro para o cara", sugeriu, em conversa na qual combinam repassar R$ 20 mil ao servidor, fora um "mensalinho" de R$ 5 mil.

O advogado diz que a mesma tática será usada hoje pelo araponga Jairo Martins, também seu cliente. "Os dois vão usar o direito constitucional de não se autoincriminar", afirma.

Gagno pede a anulação das gravações da Monte Carlo, sob o argumento de que não foram obtidas conforme a lei. "Todas as perguntas vão ter origem nas interceptações. Então, eles não podem responder sobre aquilo que estamos pedindo a nulidade."

O advogado conversou ontem por uma hora com Dadá na prisão. Disse tê-lo encontrado "calmo, equilibrado". E atribuiu a tranquilidade à experiência do cliente em CPIs. O araponga foi investigado pela comissão parlamentar das escutas telefônicas ilegais e chegou a ser indiciado, mas não teve punição.

Outro a ser ouvido hoje, o ex-vereador em Goiânia Wladimir Garcez, que seria o elo da quadrilha com o governo de Goiás, também pouco contribuiu com a polícia. Interrogado no mesmo dia, apresentou-se como representante comercial da Delta, empreiteira envolvida no esquema. E chegou a dizer que em Goiás não existe jogo do bicho.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.