Município reproduz as carências e problemas do semiárido baiano

Localizada no entroncamento de seis estradas de terra e uma asfaltada - a BA-265, que liga a cidade a Vitória da Conquista, o centro regional -, Condeúba, 660 quilômetros a sudoeste de Salvador, é uma cidade pouco conhecida mesmo na Bahia. Não tem uma característica peculiar, como a vizinha Piripá, famosa localmente pela produção de boas cachaças, nem pontos turísticos.

O Estado de S.Paulo

09 de dezembro de 2012 | 02h09

O município é como tantos outros do semiárido baiano. Sofre com a seca, em média, 8 meses por ano - este ano foi de 11 meses -, com a infraestrutura pública precária e com a falta de perspectivas para os habitantes. Dos pouco mais de 17 mil moradores, apenas 7,5 mil moram na cidade. A maioria está na zona rural, em pequenas propriedades de agricultura familiar. A produção no campo é praticamente toda voltada para a subsistência ou adquirida pela prefeitura.

A cidade tem também três pequenas fábricas. Uma confecção, uma de cerâmicas e uma de alimentos, esta a mais antiga indústria da cidade, fundada em 1976. O maior empregador da cidade, porém, é o próprio município, que tem cerca de mil funcionários, além de quantidade semelhante de aposentados. Cerca de metade da população se beneficia de programas de distribuição de renda do governo federal, como o Bolsa-Família. / T.D.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.