Henrique Ferreira Bregão/CMPA
Henrique Ferreira Bregão/CMPA

‘Muitos deles, jovens, negros. Sem tradição política’, diz candidato derrotado em Porto Alegre

Sexto colocado na disputa pela Prefeitura, Valter Nagelstein (PSD) criticou de maneira preconceituosa vereadores recém-eleitos pelo PSOL; declaração gera enxurrada de críticas

Lucas Rivas, especial para o ‘Estadão’, O Estado de S.Paulo

18 de novembro de 2020 | 21h19

PORTO ALEGRE – Sexto colocado na corrida eleitoral para a prefeitura de Porto Alegre, Valter Nagelstein (PSD) criticou de maneira preconceituosa os vereadores da capital gaúcha recém-eleitos pelo PSOL. “Muitos deles jovens, negros. Vereadores esses sem nenhuma tradição política, sem nenhuma experiência e nenhum trabalho e pouquíssima qualificação formal”, afirmou Nagelstein em mensagem de áudio dirigida a seus seguidores. Entre os 36 recém-eleitos, cinco são negros -- um recorde na cidade. Em 2016, apenas um vereador negro foi eleito, o já falecido Tarciso Flecha Negra (PSD).

O historiador Matheus Gomes (PSOL), negro e quinto mais votado para a Câmara Municipal afirmou: “Valter, tomaremos as medidas legais cabíveis. Não aceitaremos nenhum tipo de desqualificação racista. Temos uma bancada negra e vão ter que saber nos respeitar e nos chamar pelo nosso nome”. Gomes afirmou, nesta quarta-feira, que estão em estudos as medidas a serem adotadas.

A manifestação do ex-candidato viralizou nas redes sociais, provocando enxurrada de críticas e levou o Núcleo de Estudos Judaicos da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) a emitir uma nota de repúdio intitulada “Valter Nagelstein não representa a comunidade judaica gaúcha”.

“Hoje (terça-feira), veio a público um áudio do ex-candidato à prefeitura de Porto Alegre, Valter Nagelstein, que causou uma onda absolutamente justificada de repúdio pelo racismo incontido de suas declarações, somado a um reacionarismo aviltante”, diz o texto.

Vereadora mais votada na cidade, com mais de 15 mil votos, a professora negra Karen Santos (PSOL) rebateu: “Valter Nagelstein está em crise de choro pelo resultado da eleição. Não sabe perder”. Para a vereadora Laura Sito (PT). a declaração reflete “o ódio da elite” brasileira. “Ele vai ser cobrado por isso, acabou o tempo em que os racistas tinham folga em POA (Porto Alegre)”, acrescentou Gomes.

Depois da repercussão, Nagelstein divulgou no Twitter: “Evidentemente que não há preconceito algum na minha fala, há um diagnóstico: 1) de que um discurso encontrou eco nas urnas. 2) Que muitos eleitos têm pouca qualificação formal. Só isso”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.