MPL tem 'aulas' na rua

Ex-gestor de Erundina e filósofo falam sobre tarifa zero na frente da Prefeitura

Bruno Ribeiro, Nataly Costa, O Estado de S.Paulo

28 Junho 2013 | 02h00

Pela primeira vez desde o dia 6 deste mês, quando começaram os protestos pela redução da tarifa de ônibus na capital, manifestantes e acadêmicos dividiram as ruas como palanque. Convocados pelo Movimento Passe Livre (MPL), o filósofo e professor aposentado da USP Paulo Arantes e o ex-secretário de Transportes da gestão Luiza Erundina (PT) Lúcio Gregori deram "aulas livres" para cerca de 300 pessoas sobre a tarifa zero na frente da Prefeitura, no fim da tarde de ontem.

Os "alunos", a maioria jovens na faixa dos 20 e poucos anos, sentaram na calçada para ouvir os palestrantes. O primeiro a falar foi Gregori, um dos idealizadores das discussões sobre tarifa zero, nos anos 1990. Ele comparou o ônibus a outros serviços municipais já fornecidos com tarifa zero, como a iluminação pública. "Imagine se cada vez que alguém passasse embaixo de um poste tivesse de pagar?", perguntou.

Gregori explicou que para viabilizar o serviço de ônibus a custo zero é fundamental incrementar a arrecadação da Prefeitura, sem aumentar a quantidade de impostos. "Dizer que com ônibus grátis as pessoas ficariam 'o dia inteiro' andando de ônibus ou que os mendigos não sairiam de dentro dos ônibus é um insulto à inteligência. Como se as pessoas não tivessem mais o que fazer." Ele defendeu um modelo em que os ônibus fossem alugados pela Prefeitura, em vez de o pagamento aos donos dos coletivos ocorrer por passageiro transportado.

O ex-secretário citou cidades como Manchester, na Inglaterra, e Sydney, na Austrália, que têm zonas onde a passagem é gratuita. Na capital, segundo ele, isso poderia ser feito nos corredores de ônibus, que deveriam circular como o metrô, por sentido, de um terminal a outro.

História. Já Paulo Arantes teve mais dificuldade para falar. O filósofo chegou a usar um megafone para dar parte da aula - concorria com o som da festa da Copa das Confederações, que começou pouco depois das 18h30 no Vale do Anhangabaú.

Arantes falou sobre como se articulavam, em tempos pré-Facebook, os movimentos sociais do passado - como o por direitos civis nos EUA e as manifestações por abertura política na Alemanha dividida. "O que importavam eram os vínculos fortes de companheirismo em torno de uma causa real. É preciso que todos corram o mesmo risco."

Antes da aula, Arantes evitou conversar com os repórteres. "Não dou entrevistas", disse, de um jeito simpático, antes de elogiar o ex-aluno Fernando Haddad, mas, principalmente, o MPL, que passou pelo "quintal" do filósofo na Universidade de São Paulo (USP).

Mais conteúdo sobre:
protestoprotestos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.