IAN CHEIBUB/ESTADÃO
IAN CHEIBUB/ESTADÃO

Movimentos de renovação esbarram na política 'real'

Grupos refazem previsões sobre eleitos e registram desistências de candidaturas

Gilberto Amendola, O Estado de S.Paulo

21 Maio 2018 | 05h00

Meses atrás, de longe, a onda parecia gigante e inevitável. Ao mesmo tempo em que a Operação Lava Jato abalava importantes figuras da classe política tradicional, pesquisas de opinião indicavam que a população estava disposta a votar em novos rostos. Identificados com esse sentimento, movimentos de renovação foram surgindo por todo o País – com estimativas positivas quanto à possibilidade de eleger “sangue novo”.

++ Pesquisa diz que 81% preferem quem não tem mandato

++ Bolsa para candidatos em política atrai de coronel a ativista da causa LGBT

Hoje, de perto, essa mesma onda ameaça chegar muito menor na praia eleitoral, correndo o risco de produzir apenas uma inofensiva espuma. “Entre o entusiasmo e a realidade existe um descompasso. O nosso sistema atua como desarticulador da mudança, e ele se blindou. Essa eleição vai trazer o menor índice de renovação da história. Com a reforma eleitoral, o Congresso já ‘contratou’ a eleição. Ou seja, todos os recursos serão alocados para reeleger os nomes de sempre ou seus apadrinhados”, disse o especialista em Direito Eleitoral Luiz Fernando Pereira.

++ Grupos de renovação estão em 27 partidos

Com a restrição de recursos (o fundo eleitoral terá R$ 1,7 bilhão), um período menor de propaganda gratuita, a impossibilidade de candidaturas independentes e nenhum presidenciável outsider para fomentar a ideia do novo, os partidos devem concentrar a estratégia nos candidatos conhecidos para garantir a eleição. “Quem vai indicar para quem vai o dinheiro de campanha são nomes como Roberto Jefferson (presidente do PTB), Valdemar Costa Neto (presidente do PR), Romero Jucá (presidente do MDB)...”, provocou Pereira.

++ Huck e empresários criam fundo para apoiar candidatos

Os próprios grupos de renovação já calibraram seus discursos. O otimismo do começo deu lugar ao realismo e às “perspectivas de longo prazo”. Em setembro de 2017, o movimento RenovaBr, que oferece bolsa de estudos para candidatos ao Legislativo (federal e estadual), imaginava eleger de 70 a 100 nomes. Com o decorrer dos meses, as estimativas deixaram de ser públicas – e hoje giram em torno de 20% em um universo de 131 bolsistas elegíveis. Outro movimento de formação de líderes, a Raps, também falava em 60 a 80 deputados eleitos, mas, atualmente, já não tem divulgado projeções que possam, eventualmente, criar falsas expectativas.

++ Desistências de Barbosa e Huck não esfriam cobiça por ‘outsiders’

Desistências. Alguns nomes que pareciam ter potencial eleitoral nem sequer estão dispostos a arriscar. Um dos casos mais marcantes é o de Rafael Parente, de 40 anos, filho do presidente da Petrobrás, Pedro Parente.

Pós-graduado em educação pela New York University (NYU), fundador de uma startup de educação, cofundador de um grupo de renovação (o Agora!) e com um relativo sucesso nas redes sociais (mais de 130 mil seguidores), ele parecia pronto para encarar o desafio de uma candidatura. Mas, desistiu.

++ Estrategista de Macron aposta nos ‘outsiders’

++ Partido Novo oficializa as pré-candidaturas de Rogério Chequer e Christian Lohbauer

“Desde o início, no Agora!, debatíamos sobre a necessidade de candidaturas que representassem esse sentimento de renovação. Eu me animei”, disse Parente. “Aí conversei com meu pai. Nas conversas, entendi que, no Brasil, seria difícil acontecer um processo de renovação no estilo Emmanuel Macron (presidente francês). E, além do mais, eu tinha que me filiar a um partido, tinha que assumir o carimbo de um partido”, afirmou. “Ponderei sobre meus compromissos profissionais e desisti de concorrer.”

++ Brasil precisa de ‘renovação’, diz Huck

O medo. Para a pesquisadora Beatriz Pedreira, do Instituto Update, essa ainda não será a eleição da renovação, “No começo, os grupos se empolgaram muito. Tinha aquela empolgação inicial do ‘vamos salvar o Brasil’. Mas não será nesta eleição que a gente vai fazer a renovação que se imaginou no início do processo. Meu receio é de que isso frustre muito”, afirmou. “Essa reação do sistema à possibilidade de renovação não é só brasileira. De qualquer forma, é preciso que esses grupos continuem trabalhando e apontando para o futuro.”

4 PERGUNTAS PARA...

Eduardo Mufarej, coordenador do RenovaBr

1. Qual a expectativa do RenovaBr em relação à eleição?

Nosso sucesso não se mede por número de votos, mas por um movimento de mudança. Se, por um lado, há falta de crença em partidos e representantes, por outro é visível o surgimento de uma energia nova, um desejo de colocar gente diferente no comando do País. A atuação do RenovaBR é focada em formação política e atuaremos em todos os anos, independentemente de eleições.

2. A reforma política criou barreiras à renovação?

Junto com a crescente vontade por renovação vem a reação de quem está no poder. Os candidatos novos irão enfrentar políticos com mandato, estrutura de gabinete, verba. A desigualdade é grande. Parte dos políticos tradicionais tem dado pouco espaço para a renovação de quadros, mas existem formas de engajar a população para provocar essa renovação, é nisso que estamos trabalhando.

3. Como superar as dificuldades?

Treinamento em comunicação, narrativa, ética, discurso, proximidade, apresentação de propostas, liderança de equipes, noções de política pública e busca por soluções, construção de campanhas mais baratas, técnicas de mobilização de voluntários e arrecadação.

4. O trabalho do RenovaBr continua após a eleição?

Não vamos conseguir mudar a política em um ciclo, nossa essência é de formação e capacitação. Pretendemos continuar em 2018 e 2019. Vamos fazer um processo de formação para os eleitos e convidar os que não se elegeram para participar do processo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.