Andre Penner/AP
Andre Penner/AP

'Moro não é juiz, é político e tem de assumir essa posição', afirma Ciro Gomes

Candidato derrotado do PDT à Presidência afirma que magistrado tem de aceitar convite do presidente eleito Jair Bolsonaro para assumir ministério da Justiça

Mateus Fagundes, O Estado de S.Paulo

31 de outubro de 2018 | 19h56

O candidato derrotado do PDT à Presidência da República, Ciro Gomes, ironizou o convite recebido pelo juiz federal Sérgio Moro, da Operação Lava Jato, para assumir o Ministério da Justiça. "Sérgio Moro não é um juiz, é um político. Ele tem de assumir logo essa posição e dar a sua contribuição para o Brasil", afirmou Ciro, em entrevista à Rádio CBN nesta quarta-feira, 31.

De acordo com a coluna Direto da Fonte, da jornalista Sonia Racy, Moro vai aceitar o Ministério da Justiça ampliado. Ele vai tratar do convite em reunião com o presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), na manhã desta quinta-feira, 1º.

Ex-ministro da Fazenda, Ciro também afirmou que "não tem como dar certo" a proposta de Bolsonaro de unir da pasta com os Ministérios do Planejamento e da Indústria e Comércio. "Falando na condição de uma pessoa muito experiente, não como candidato, isso não pode dar certo. São pastas com contradições, são orgânicas", afirmou. "O pleito da Indústria e do Comércio é baixar imposto, aumentar competitividade. A Fazenda, diante desta crise fiscal, quer cobrar imposto e ponto." 

Na entrevista, o pedetista discorreu também sobre o papel que vai exercer na oposição a Bolsonaro. De acordo com ele, as diretrizes que ele vai seguir são as do respeito às regras da democracia e a defesa dos interesses nacionais.

Ciro Gomes também voltou a atacar o PT. Para ele, a estratégia de manter a candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), mesmo com ele preso desde abril em Curitiba, foi a responsável pela eleição de Bolsonaro. "O PT passou de qualquer limite, não pense que é prazeroso dizer isso, para mim, não".

Ciro voltou a usar o tom da campanha e disse ter avisado aos petistas sobre o perigo da eleição do capitão da reserva. "Eles (os petistas) entregaram o Brasil ao Bolsonaro. Eu sempre soube que aquilo que o Lula estava encaminhando (a candidatura) era uma fraude", afirmou.

O pedetista disse também que nunca mais quer fazer campanha com o PT e afirmou que o País precisa de novos caminhos políticos. "O Brasil precisa desesperadamente construir um caminho diferente desta polarização que estamos vivendo", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.