Ministro do Trabalho nega que ADRVale tenha feito pagamentos

O ministro do Trabalho, Manoel Dias, e seu chefe de gabinete, Rodrigo Minotto, negaram acerto para que a ADRVale fizesse pagamento a um prestador de serviços do PDT. Em nota, eles disseram que "não havia fontes de recursos" para John Siever Dias "porque o trabalho era de militante". A nota oficial diz que o ex-presidente da Juventude do PDT em Santa Catarina ingressou com ação na Justiça do Trabalho pedindo vínculo empregatício com o partido. "Ambas as ações estão extintas e prescritas pelo fato de o reclamante não comparecer às audiências para provar o que alegava."

Fábio Fabrini e Andreza Matais, O Estado de S.Paulo

17 de setembro de 2013 | 02h11

Ao Estado, John Siever confirmou a ação trabalhista, mas explicou que o processo se refere à época em que ele morava na sede do PDT, e não aos serviços prestados à Universidade Leonel Brizola. "Eu limpava, abria e fechava a sede do partido entre 2009 e 2010. Achei que isso caracterizava vínculo. Mas depois me arrependi. Tanto que não fui a nenhuma audiência", disse.

O Ministério do Trabalho não quis dar esclarecimentos sobre os convênios da ADRVale. O de maior valor (R$ 6,9 milhões) consta como "adimplente" no Portal da Transparência do Governo Federal, embora a Controladoria-Geral da União (CGU) tenha apontado irregularidades.

A advogada da ADRVale, Ana Helena Boos, disse que a entidade está inativa, pois não recebeu todos os recursos que eram devidos pelo Ministério do Trabalho.

Notícias relacionadas
    Tudo o que sabemos sobre:
    FraudesMinistério do TrabalhoPDT

    Encontrou algum erro? Entre em contato

    Tendências:

    O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.