Ministério alega que critério foi 'menor preço'

A assessoria do Ministério do Esporte disse que o critério técnico para aceitar a proposta das pistas de atletismo feitas pela Fundação de Apoio ao Menor de Feira de Santana (Famfs) foi "menor preço". O ministério "aceitou a proposta da convenente devido à inovação em reaproveitar pneus velhos e refugos de pneus de uma fábrica próxima", afirma a assessoria. E prossegue:

O Estado de S.Paulo

06 de novembro de 2011 | 03h06

"A proposta atende, ainda, a demandas de preservação ambiental e de ampliação da infraestrutura esportiva do País. O critério técnico baseia-se em menor preço, incomparável se confrontado com o preço de uma pista convencional".

Sobre o material encalhado na sede da entidade, o ministério diz que a responsabilidade de quem pretende recebê-lo em cumprir exigências formais pode atrasar o processo de liberação das mercadorias. Além das pistas de atletismo, a Famfs também produz bolas, camisetas e bonés em programas do governo federal.

"A dispensação do material produzido pela convenente é proporcional às demandas aprovadas e autorizadas. Como o preenchimento de todos os requisitos por parte dos entes que demandam o material produzido é exigência formal, por vezes forma-se estoque", acrescenta o texto.

O chefe do Centro Olímpico da Universidade de Brasília, professor André Reis, disse que a instituição aceitou a oferta do Ministério do Esporte porque "foi uma possibilidade de ter alguma coisa". O ministério "se prontificou e foi uma vontade nossa de solucionar um problema de falta de pista", afirmou. A UnB, explicou o professor, quer fazer testes de qualidade antes de homologar a pista. Ele admitiu que a universidade poderá gastar R$ 100 mil para levar a pista até Brasília e, no exame, reprová-la. "É um risco que a gente corre." / L.C.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.