Marcelo Camargo/Agência Brasil
Marcelo Camargo/Agência Brasil

'Minha consideração para ser candidato é a Presidência', diz Meirelles

Ministro da Fazenda, contudo, ainda não descarta a possibilidade de ser vice em chapa encabeçada pelo presidente Michel Temer

Adriana Fernandes, enviada especial, O Estado de S.Paulo

26 Março 2018 | 16h26

PORTO ALEGRE - O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, não descartou a possibilidade de ser vice em uma chapa com o presidente Michel Temer nas próximas eleições, mas indicou que seu objetivo é ser cabeça de chave na campanha eleitoral pela disputa ao cargo de Presidência da República.

Em Porto Alegre, onde participa de palestras com lideranças empresariais do Estado, Meirelles preferiu a cautela e não quis confirmar oficialmente o acerto com o presidente Michel Temer para a sua saída do Ministério da Fazenda. Disse que vai decidir no início da semana, mas já respondeu perguntas como candidato sobre vários temas.

+ Temer confirma saída de Meirelles da Fazenda

+ Saída de Meirelles oficializa a corrida para quem irá sucedê-lo na Fazenda

“Minha consideração para ser candidato é a Presidência (cargo)”, disse Meirelles, sem descartar categoricamente a posição de vice numa chapa com o presidente Temer.

Apesar de ter acertado com o presidente a sua saída do governo, como mostrou o Estadão/Broadcast pela manhã, Meirelles disse que mandou fazer pesquisas qualitativas para tomar a decisão. Segundo ele, a ideia é entender com as pesquisas o que brasileiro pensa e quer do futuro do País. O ministro disse que não tomará decisão de forma precipitada ou por “vaidade”. “Levo em conta questões partidárias", disse.

Uma das dessas questões que estão sendo avaliadas, segundo ele, é a garantia de que será cabeça de chapa. Ele também esquivou-se de comentar o acerto para a migração do PSD, seu atual partido, para o MDB. “Tenho conversado com vários partidos”, despistou para depois reconhecer que as conversas com o MDB estão avançadas. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.