'Meu projeto é ser candidato a prefeito, mas processo político é dinâmico', diz Matarazzo

Em entrevista à Rádio Estadão, ele não negou que aceitaria ser vice na chapa de Marta Suplicy (PMDB) e afirmou que São Paulo não aguenta mais gestões 'incompetentes ou oportunistas'

Álvaro Campos, O Estado de S. Paulo

22 de julho de 2016 | 12h56

SÃO PAULO - O pré-candidato à prefeitura de São Paulo Andrea Matarazzo (PSD) afirmou, nesta sexta-feira, 22, em entrevista à Rádio Estadão que seu projeto no momento é disputar a liderança do Executivo, mas ressaltou que o processo político é dinâmico. Questionado se aceitaria ser vice na chapa de Marta Suplicy (PMDB), ele não descartou. "Se o partido estiver negociando alguma composição (com outra candidatura), vamos avaliar. No momento meu projeto é ser candidato e o Gilberto Kassab (presidente do PSD) disse que a decisão vai ser minha", afirmou.

Em críticas veladas a seus principais adversários, Fernando Haddad (PT) e João Doria (PSDB), Matarazzo disse que São Paulo não aguenta mais gestões "incompetentes ou oportunistas". "Nós precisamos fazer o óbvio em São Paulo, enquanto fica todo mundo falando de coisas 'moderninhas', de como vamos chegar a 2060. Antes disso a gente tem de chegar a 2016. Não podemos ter parte da periferia da cidade sem pavimentação de rua".

Questionado sobre o eventual apoio do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ao prefeito Haddad, candidato à reeleição, Matarazzo disse que seria "o roto ajudando o rasgado" e que o líder petista colocou a perder seu histórico ao apoiar Haddad e a presidente afastada, Dilma Rousseff.

Já sobre sua saída do PSDB após 25 anos, o pré-candidato reconheceu que fica um "prejuízo emocional" grande e admitiu que não falou desde então com o governador Geraldo Alckmin. Matarazzo deixou o partido após ser derrotado por Doria na prévia que definiria o nome do PSDB para a disputa pela Prefeitura paulistana.

Campanha. Matarazzo afirmou que São Paulo precisa ser mais amigável aos negócios e diminuir a burocracia, incluindo a questão da liberação de licenças de funcionamento ou da regularização de terrenos. "A cidade precisa de milhares de pequenas obras, não grandes empreendimentos. São coisas básicas, como pavimentação, limpeza de córrego, creches".

Ele também criticou as ciclovias e faixas de ônibus feitas por Haddad. "Muitas ficam em frente a comércios e estão levando ao fechamento dessas lojas, tirando empregos da cidade. "A faixa de ônibus poderia ser só no horário de pico, não precisa ser permanente".

O representante do PSD chegou a dizer que "dá preguiça" fazer oposição a Haddad na Câmara de Vereadores, já que o prefeito "faz oposição a si mesmo, com uma medida nova a cada dia para perturbar a vida do paulistano".

Matarazzo também criticou a decisão da gestão Haddad de tirar cobertores de moradores de ruas. Segundo ele, a cidade tem mais de 16 mil moradores de rua e precisa de um serviço específico para tratar dessa população. "Sem essa atenção especial do poder público, isso seria omissão de socorro, o que é crime".

Sobre a polêmica Uber x táxi, ele disse que a competição é boa e que o ideal seria reduzir as tarifas dos taxistas, para criar condições justas de atuação para todos. "Eu não vou taxar nada, sou radicalmente contra taxas desnecessárias".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.