'Meu filho foi um herói', diz mãe do piloto

Para Maria Eliza Martins, filho evitou mais mortes na queda do avião ao desviar de prédios

Andreza Matais , O Estado de S. Paulo

15 de agosto de 2014 | 17h33

"Carinhoso, educado e dedicado à profissão". É como Maria Eliza Martins descreve o filho, Marcos Martins, de 42 anos, piloto da aeronave que caiu em Santos na quarta-feira, 13. Além dele, seis pessoas morreram no acidente aéreo, incluindo o candidato do PSB à Presidência da República, Eduardo Campos. Para Maria, que tem outro filho piloto, Marcos teve um ato de heroísmo e evitou mais mortes na queda do avião. "Ele foi um herói e salvou muita gente ao desviar de dois prédios."  Após arremeter, conforme testemunhas, o piloto teria desviado dos edifícios até cair num terreno vazio no bairro do Boqueirão, em Santos. "Se ele não fosse profissional, tinha morrido muita gente ali. Na hora do sufoco ele desviou dos prédios", complementa Maria, em conversa com o Estado.

Ela nega que o filho estivesse estafado. Segundo Maria, que tinha contato diário com o filho, os comentários postados por ele no Facebook (num dos posts, ele disse que estava "cansadaço") poderiam ser feitos por qualquer pessoa que trabalha. "Ele dizia que estava cansado, mas era um cansaço normal, que qualquer pessoa que trabalha sente. Ele não estava estafado, não, não estava! Ele gostava muito da sua profissão. Estava muito feliz, amava muito o que fazia."

Um dia antes do acidente, Marcos postou no Facebook uma imagem dele brincando com um drone numa praia do Rio de Janeiro. "Assim fica fácil", escreveu. Não é possível saber se a imagem foi gravada no mesmo dia da postagem. O voo para Santos partiu do Rio de Janeiro. Para a mãe do piloto, não há hipótese de erro. "Meu filho tinha 20 anos de profissão. Eu penso que foi algum pássaro que entrou na turbina do avião, porque ele é um profissional excelente."

Maria soube da notícia da morte do filho pela televisão. Ela estava em casa e disse que mesmo sem confirmação sobre as vítimas já pressentia a morte do filho. "Na hora eu já tive aquela intuição de mãe. Eu sabia que ele estava no Rio de Janeiro e que iria viajar para Santos. Estamos muito tristes."

A mulher do piloto, Flávia Martins, afirmou ao Estado que está medicada e não tem condições de se manifestar. O casal tem dois filhos pequenos. "Ainda não consigo falar sobre o acidente." Religiosa, 11 dias antes do acidente ela postou no Facebook uma mensagem: "Quando Deus mudar o itinerário, não se fruste, ele sabe o que há depois da curva". O casal estava junto havia dez anos, completados em junho. "Hoje comemoramos DEZ anos de união, de muita felicidade especialmente com a chegada dos nossos maiores tesouros. Quero comemorar os 20, 30, 40, 50..... até onde Deus permitir ao seu lado. TE AMOOO MUITO", escreveu ela na rede social na ocasião. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.