Meta é julgar todas as ações de improbidade e corrupção até 2013

Na esteira do julgamento do mensalão, os tribunais de todo País terão de julgar até 2013 todas as ações de improbidade administrativa e de crimes contra a administração pública, como corrupção, peculato e lavagem de dinheiro, que chegaram ao Judiciário até dezembro de 2011. A meta foi definida ontem pelos tribunais no Encontro Nacional do Poder Judiciário. Presidente eleito do Supremo Tribunal Federal, o ministro Joaquim Barbosa afirmou que a definição de metas "é o caminho correto a seguir" para acelerar os julgamentos. "Vejo como iniciativa alvissareira tomar esses dois pontos, corrupção e improbidade administrativa, como temas guia da ação do Judiciário", afirmou.

O Estado de S.Paulo

07 de novembro de 2012 | 02h06

Na avaliação de Barbosa, a quantidade de ações de improbidade administrativa é pequena, o que permitirá atingir o objetivo. "As ações de improbidade não são tão numerosas, é um número administrável", afirmou. O Conselho Nacional de Justiça deve criar uma comissão para acompanhar o cumprimento da meta. / F.R.

Tudo o que sabemos sobre:
mensalaoLulaSTFJoaquim Barbosa

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.