Mensalão levou dirigentes do Rural e do BMG à condenação

Dirigentes e ex-dirigentes dos bancos Rural e BMG foram condenados no ano passado por crimes financeiros relacionados a empréstimos feitos à direção nacional do PT. O Rural viu sua ex-presidente e uma de suas principais acionistas, Kátia Rabelo, ser condenada pelo Supremo Tribunal Federal a quase 17 anos de reclusão pelos crimes de formação de quadrilha, gestão fraudulenta, lavagem de dinheiro e evasão de divisas.

ALINE RESKALLA, ESPECIAL PARA O ESTADO /, BELO HORIZONTE, O Estado de S.Paulo

12 de março de 2013 | 02h08

Já os dirigentes do BMG foram condenados pela Justiça Federal em Minas, por causa do desmembramento do processo central do mensalão, cujo relator é o ministro Joaquim Barbosa. Nesse processo, os dirigentes do BMG Márcio Alaor e Flávio Pentagna foram condenados a cinco anos e seis meses de prisão, enquanto o presidente da instituição, Ricardo Annes Guimarães, pegou sete anos de prisão.

Tucanos. O mensalão mineiro - no qual o ex-governador de Minas, ex-presidente do PSDB e hoje deputado, Eduardo Azeredo, é acusado de desviar dinheiro público para pagar a campanha dele e de aliados - também envolve o banco Rural. Seus dirigentes são acusados de crime contra o sistema financeiro praticados em 1998, durante a campanha à reeleição de Azeredo. No dia 28 de setembro de 2012, a juíza da 4.ª Vara Camila Franco Verano proferiu sentença extinguindo a ação com relação aos acusados Kátia Rabello e José Roberto Salgado, presidente e diretor do Rural, respectivamente, e absolvendo os acusados João Heraldo Lima, Luiz Francisco Cardoso Fernandes e Célia Bento Maselli, todos dirigentes da instituição, por falta de provas.

O Ministério Público Federal em Minas Gerais recorreu da decisão. O processo tramita agora em segunda instância após recursos. Neles, o banco Rural cobra dívida de R$ 50 milhões de empréstimos contratados pelo empresário Marcos Valério Fernandes de Souza, apontado como o operador dos dois mensalões.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.