Memorial do Fome Zero vira depósito de móveis velhos

Depois de sonhar com museu, hotel e turistas, Guaribas é hoje um lugar inacessível, com instalações abandonadas

GUARIBAS, O Estado de S.Paulo

13 de janeiro de 2013 | 02h03

Desde que se tornou nacionalmente conhecida, há dez anos, Guaribas - onde o Fome Zero começou - não tem registro de um único turista que a tenha visitado. Ainda assim, o governo do Piauí investiu mais de R$ 1 milhão na construção de um museu, o Memorial do Fome Zero, e um hotel de 14 suítes no município.

Prontos há dois anos, os dois prédios acabaram virando depósitos de móveis velhos da prefeitura e ninho de ratos e morcegos. Vidros quebrados, telhas faltando e infiltrações são o atestado de mais um caso de dinheiro público jogado fora.

No mesmo dia em que o Estado visitou a cidade, funcionários da prefeitura levavam alguns computadores velhos para guardar em uma das salas do memorial. No salão principal, decorado com várias pinturas alusivas ao programa, carteiras e cadeiras escolares velhas se amontoam, junto com restos de madeira, caixas e lixo em geral.

"Está tudo se estragando. Nós já pedimos para usar o espaço para palestras de saúde, para fazer atendimentos, mas não conseguimos nada", conta Tâmara Dias Nunes, uma das enfermeiras do município.

Revolta. O abandono da obra revolta os moradores, que viam ali a possibilidade, ainda que irreal, de atrair alguma renda extra para a cidade. E culpam o ex-prefeito Ercílio de Andrade por ter mudado o museu, projetado para o centro da cidade, para um morro ao pé da serra, como se o lugar do memorial pudesse ser a salvação de Guaribas.

Sem calçamento, é mesmo difícil alcançar, de carro ou a pé, o lugar onde está o memorial. O calçamento ia ser feito também pelo governo do Estado, o que nunca aconteceu.

Ali perto, outro prédio abandonado pode ser notado: uma lanchonete, que ficaria perto do "complexo turístico" de Guaribas. O comércio chegou a funcionar por algum tempo, mas terminou fechando por absoluta falta de clientes.

Ao pé da Serra das Confusões, a cidade tem um cenário bonito em que até cachoeiras aparecem quando a seca não aperta. Mas, como há 10 anos, continua quase inacessível. A estrada de chão que leva ao município mais próximo, Caracol, foi arrumada apenas nos 20 primeiros quilômetros. Os 40 finais ainda são apenas uma trilha, em que carros normais ou ônibus não passam, por mais entusiasmado que seja um desavisado turista. Guaribas, como seu Memorial ao Fome Zero, continua abandonada no meio do nada. / L. P.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.