Felipe Rau/Estadão
Felipe Rau/Estadão

Meirelles diz que não é necessário descolar sua imagem de Michel Temer

Para ex-ministro da Fazenda, é importante mostrar para a população as realizações do governo

Marcelo Osakabe, O Estado de S.Paulo

13 Junho 2018 | 17h05

SÃO PAULO - O ex-ministro da Fazenda e pré-candidato do MDB à Presidência, Henrique Meirelles, declarou nesta quarta-feira, 13, que para viabilizar uma candidatura pretende mostrar não apenas sua participação no governo do presidente Michel Temer na campanha eleitoral, mas também seu período como presidente do Banco Central nos governos do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, condenado e preso pela Operação Lava Jato. Ele ressaltou ainda que não é necessário descolar sua imagem do governo Temer. 

+ Meirelles afirma que convergência do centro político vai acontecer 'no devido tempo'

"Temos uma história de sucesso a mostrar. No momento em que as pessoas tomam conhecimento do que foi feito não só nesses dois anos como ministro da Fazenda, mas também nos nossos oito anos como presidente do BC (...) temos confiança em um resultado favorável na eleição", disse Meirelles, que participou de um congresso de prefeitos organizado pela Federação Catarinense de Municípios (Fecam) em Florianópolis.

Perguntado se acreditava ser necessário descolar sua imagem do governo Temer, o ex-ministro respondeu que não. "Basta mostrar tudo que fizemos. A população já se cansou de ouvir propostas fantasiosas, que não funcionam. O governo brasileiro tem que refletir o que o povo espera, e população espera capacidade, competência", declarou.

+ Planalto diz que não irá comentar reprovação recorde de Michel Temer

Em meio à perspectiva de que a projeção do Produto Interno Bruto (PIB) para este ano possa ser rebaixada por causa da greve dos caminhoneiros e do cenário eleitoral incerto, Meirelles admitiu que a melhora dos indicadores econômicos não se refletiu na economia. "Uma recessão brutal como essa, produto de vários anos, não se conserta do dia para a noite, mas o fato é que estamos na direção certa", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.