Alvaro Rezende/Correio do Estado
Alvaro Rezende/Correio do Estado

'Me jogam na boca dos leões', diz juiz candidato que perdeu escolta

Odilon de Oliveira, candidato a governador do MS, vai entrar com recurso contra decisão CNJ que retirou segurança

José Maria Tomazela, O Estado de S.Paulo

21 de agosto de 2018 | 19h29

SOROCABA – O juiz aposentado Odilon de Oliveira, candidato a governador do Mato Grosso do Sul pelo PDT, vai entrar com recurso contra decisão do plenário do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) que retirou a escolta a que tinha direito por ter sido ameaçado de morte pelo narcotráfico. “Vou recorrer na esfera do CNJ e, ao mesmo tempo, ajuizar ação de obrigação de fazer contra a União, com pedido de liminar. O sujeito trabalha a vida inteira tentando proteger a sociedade, arriscando a vida e, quando se aposenta, é jogado na boca dos leões”, afirmou.

O magistrado vive sob escolta policial desde 1998, devido às ameaças que recebeu por sua atuação no combate ao narcotráfico. Durante sua atuação na fronteira com o Paraguai, o juiz mandou para a cadeira traficantes poderosos e ainda confiscou seus bens. O narcotráfico chegou a oferecer recompensa pela cabeça de Odilon.

+ A história do juiz jurado de morte pelo crime

O juiz se aposentou no ano passado e se candidatou ao governo do Estado, nas eleições deste ano, pelo PDT. A candidatura, anunciada no final de julho, foi um dos argumentos levados ao plenário do CNJ para justificar a retirada gradual da proteção ao juiz.

A maioria do plenário julgou ser desnecessária a manutenção da escolta 24 horas, baseada em laudos da própria PF e do Departamento de Segurança Institucional do Poder Judiciário. “Os órgãos técnicos analisaram a situação atual do magistrado e concluíram que, ou não há substância nas suspeitas de ameaças, ou os episódios relatados não têm relação com o risco para o magistrado”, afirmou o conselheiro Márcio Schiefler Fontes.

+ PF prende ex-governador do Mato Grosso do Sul

Ainda segundo Schiefler, o fato de se lançar candidato ao cargo de governador representa um agravamento do risco – promovido por ele mesmo – tendo em vista a rotina de uma campanha política. “Envolve encontros com lideranças políticas, correligionários, o que não raro ocorre em rincões remotos, além da ampla divulgação da agenda. Apenas os candidatos à Presidência da República têm direito à escola da Polícia Federal”, disse o conselheiro.

Odilon disse que tomou conhecimento da decisão do CNJ pela imprensa. “O motivo principal seria meu ingresso na política, como se tal fato fizesse desaparecer o risco de vingança. O que o CNJ deve considerar, com todo respeito, não é a nova atividade do protegido, mas se permanece ou não o risco de vingança em razão do trabalho realizado na atividade. O processo que tramita no CNJ, de minha iniciativa, trata exclusivamente de manutenção da segurança na inatividade.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.