Nilton Fukuda/Estadão
Nilton Fukuda/Estadão

MDB deve manter poder no Senado com Norte e Nordeste

Legenda disputa com o PSDB qual deve fazer a maior bancada na Casa; Jader, Renan, Lobão, Braga e Requião lideram pesquisas

Adriana Ferraz, Marcelo Godoy e Matheus Lara, O Estado de S.Paulo

30 de setembro de 2018 | 05h00

O resultado das urnas nas eleições 2018 não deve mudar a principal configuração do Senado em 2019. Se as pesquisas de intenção de voto se confirmarem no dia 7, a maior bancada, outra vez, ficará com o MDB, partido que comanda a Casa há 17 anos.

Levantamento feito pelo Estado mostra que a sigla tem chances de manter os atuais 18 senadores ou até somar um parlamentar ao grupo.

A possibilidade de ampliar uma bancada atingida em cheio pela Lava Jato – sete senadores são investigados pela operação ou desdobramentos dela –, será um feito para um partido que tem o presidente mais impopular da história. A vitória, caso obtida, virá das Regiões Norte e Nordeste, onde a legenda pode fazer 12 dos 14 candidatos com chance de serem eleitos. Em 2014, a sigla elegeu cinco, que permanecem por mais quatro anos.

Entre os parlamentares que puxam essa perspectiva positiva para o MDB estão alguns de seus principais caciques, como Eunício Oliveira (CE), atual presidente da Casa; Renan Calheiros (AL), Jader Barbalho (PA); Edison Lobão e Eduardo Braga (AM), além de Romero Jucá (RO). Algumas trocas, no entanto, podem ocorrer, mas sem prejuízo ao partido. Em São Paulo, por exemplo, Marta Suplicy abriu mão de concorrer à reeleição e não deixou ninguém com chances em seu lugar. Em compensação, Pernambuco deve eleger Jarbas Vasconcelos, que já governou o Estado e hoje tem 31% na pesquisa de voto. 

Rondônia também deve ter um senador emedebista, Confúcio Moura, que deixou o governo para disputar o cargo, assim como o Rio Grande do Sul, onde José Fogaça é um dos líderes. As pesquisas mostram que, dos 14 candidatos do MDB, oito seriam eleitos facilmente. Os demais enfrentam disputas acirradas.

Para o cientista político Marco Antonio Teixeira, da FGV-SP, os dados não surpreendem. “Segue a lógica do MDB, que não faz o presidente da República, mas é protagonista no governo. O poder do partido vem da capacidade de eleger um número significativo de deputados e senadores, o que o torna indispensável à governabilidade. O MDB tem sido aderente a todos os governos desde Fernando Collor. Michel Temer foi um acidente”.

Para o senador Roberto Requião, que lidera as pesquisas no Paraná, “essa projeção (de manter a bancada) só mostra que o MDB é um partido regionalizado, sem conexão direta com o governo Temer”. Para o emedebista, os eleitores não ligam “as loucuras econômicas do governo e a eleição”. “Por isso estamos com essa chance agora”.

PSDB e PT. Dono da segunda maior bancada hoje do Senado (12 senadores), o PSDB também tem boas chances de manter a posição em 2019 ou superá-la. O partido tem quase assegurada três cadeiras (Alagoas, Paraíba e Espírito Santo) e segue com chances de fazer outras dez. Há quatro anos, a sigla elegeu quatro.

São Paulo faz parte dessa lista com dois candidatos do partido na disputa: Mara Gabrilli e Ricardo Tripoli, empatados, na margem de erro, em segundo lugar com mais dois postulantes. Segundo Tripoli, um bom resultado no Senado reforçará o partido. “E, mesmo que não façamos a maior bancada, podemos obter maioria na Casa em busca da presidência, que não é automaticamente do MDB.”

O PT segue com chances de obter ao menos seis vagas. Em 2014, o partido fez duas – sua bancada atual é de nove. Entre os favoritos está Eduardo Suplicy (SP). Para ele, parte desse resultado se deve às coligações do partido. “Na eleição nacional, o PT se coligou só com PCdoB e PROS. É um caminho mais prudente para não termos depois os comprometimentos tais como os que aconteceram em 2014.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.